Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Poema de amor #2

Poema de amor #1

Passado ao futuro present...

Aqui, eu e elas

Língua Portuguesa

Olhar Doce

Milky Way

Poema: "Ó água que cais"

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Sexta-feira, 14 de Julho de 2006
Poema de amor #2

Porque as fãs têm direito a resposta (mas só as bonitas, obviamente).

Grru Grru (nome de código)
, minha fã
(até o título rima, hã?)

E
stava eu ali no émésséne,
e por lá te vi onlaine;
vesti as minhas cuecas de neoprene
e pus no meu cão o açaime.

Abri aquela janelinha,
e logo me surpreendi.
Não é que a tua carinha
estava num quadrado ali --> ?

Fiquei assim fascinado
com tamanha beleza...
E pus a minha foto no prado
(aquela com cuecas tigresa).

Confessaste a tua paixão secreta,
até me escreveste um poema,
espetaste tão fundo a seta
que o meu coração tem um edema.

Teu fã agora sou eu,
não há mais que esconder...
eu não sei o que me deu
mas estou louco por te ver!

riverfl0w

tags no estendal: , , ,
publicado por riverfl0w às 03:46
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (12) | favorito
|
Poema de amor #1
Aqui há uns minutos, uma fã minha (e a única, convenhamos) dedicou-me um poema de amor. Um poema amor é uma coisa boa de se dedicar, sobretudo quando vem acompanhado por uma ou duas tortas de Azeitão. Enquanto as tortas não vêm até mim, ou eu não vou até às tortas, vejo-me obrigado a fazer uma análise literária:

André Spencer (coraçõezinhos)
(André Spencer é o destinatário, os coraçõezinhos devem funcionar como selo do correio.)

Acho que os teus olhos são verdes
Mas já não me lembro bem
(A autora sofre claramente de uma doença degenerativa fulminante, que a impede de se lembrar da beleza que é ver os meus olhos ao vento. São verdes, ok. Menos mal. Os boletins do Euromilhões só se podem entregar até às 18h.)
Tens poucoxinhos pelos
Olha.... ainda bem!
(A menina deve vir de uma família de Telmas, só daí é que consigo extrair o espanto pela minha aparente falta de pelagem.)

Tens sonhos e aspirações
Tens um estaminé e um jornal
Tens uma imagem de um coelhinho
(Reparem na sublime utilização da forma verbal do verbo ter em triplicado, o que reforça em muito a métrica do poema. É incrível como nunca ninguém se lembrou disto.)
Que te fica um bocado mal
(Claro momento de inveja mal disfarçado.)

Tendo em conta estas coisas
Devo estar a ficar doida varrida e um bocado maneta (... não havia mais nada que rimasse!)
(Atentem na genialidade intrigante deste último verso... deixa-me sem palavras)
Se não for por mais nada
É pela tua bicicleta :)
(É neste verso final em que tudo se consubstancia. Recebi eu um poema de amor, e ah e tal, cheio daqueles elogios que nos põem o ego ao alto, e no último verso... putz. Ela está apaixonada pela minha bicicleta.) riverfl0w
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 03:10
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (14) | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Setembro de 2004
Passado ao futuro presente


Estar num passado distante
A beijar alguém momentaneamente,
Sem que o tempo passe de rompante
Mesmo ali à nossa frente.

Aproveitando cada ocasião
Criada pela liberdade,
Preso à tua mão
Destino de verdade.

R
egressando a tudo o que não passámos
Sem nunca perder a esperança de o vivermos agora,
Longe do tempo que sentimos
Agarrados à memória
De estarmos esquecidos de nos lembrar
Tantas coisas inexistentes,
Que sentimos nas palmas a abraçar
Os corpos suados e quentes.

E voltar de onde tivemos origem
Como postal devolvido ao remetente,
Suspirando dos sentimentos que existem
Numa veracidade em que acreditámos veemente.

Q
ue depressa aos poucos e poucos
Se tornaram enfadonhos,
E acordamos, desesperados… loucos
Por tais enganosos e tristes… sonhos…

Defacto
8 de Setembro de 2004, em Voos da Alma
tags no estendal:
publicado por riverfl0w às 11:46
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Setembro de 2004
Aqui, eu e elas
Silêncio.
Ecrã branco, cheio de nada.
Cessaram já os flashes e as palavras trocadas aqui e ali.
Agora, tudo está calmo. Apenas o discreto som das teclas se faz notar.
Só eu e elas, numa ligação que se revela infinitamente cúmplice.
Desejos, segredos, provocações, intimidades, saudades, ou o simples basbaquear do dia-a-dia, revelado pelo ritmado crepitar das teclas.
Os pássaros desistiram já de chilrear, a suave respiração dos outros já não é perceptível. Os carros já não passam lá fora, a televisão já não fala do mundo.
Esta noite, apenas eu e elas permanecemos aqui.
Um cão late, tímido.
E novamente o silêncio, abrasador. riverfl0w
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 04:36
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Julho de 2004
Língua Portuguesa

O muar

pobre
solípede
solipsista
assolapado.
em solilóquios
abastosamente
faz-se abarroado.
sonhando-se alfaraz
é apenas, por alcançadura,
acurvilhada e alcachinada alimária,
reles abochonhado animal aguachado.

Alexandre Monteiro
7 de Julho de 2004, em No Arame
(poema acerca de Durão Barroso)

tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 15:11
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Junho de 2004
Olhar Doce

Sabe bem estar aqui
Longe e perto do meu mundo,
Sabendo que só por si,
Olhares se cruzam num segundo.


Rostos, gestos, sorrisos,
Palavras soltas, afinidades,
Nunca estamos perdidos
Quando os olhos dizem verdades.


Se não fosses fruto proibido,
E houvesse a coragem (que não trouxe),
Hoje mesmo levava comigo
Esse teu olhar, tão doce.


riverfl0w

tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 22:31
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito
|
Domingo, 30 de Maio de 2004
Milky Way

A uma amiga estrela, porque afinal uma bolsa de estudo está apenas ao alcance dos melhores.

Milky Way

Far roads, high roads...
The Milky Way is beauty
and there's no beauty without stars.
It's milky roads
of the starry light
lead us into the supreme view:
stars, planets, constellations...
everything in the same picture.

If you start vertically
without wings
and reach beyond a high road...
you are a star!

riverfl0w
September 22nd 2003

tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 18:26
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Maio de 2004
Poema: "Ó água que cais"

Ontem vi-te
Ao sair pela porta esquerda,
Que p'la direita não foi,
Pois é uma estafadeira. (a porta era a do carro, tá claro)

Olhei o céu e,
Caindo desgovernada,
Lá vinhas tu,
Ó água danada! (eia, rimou!)

Mais um passo e
Olhei o chão.
Asneira da grossa,
Não gostei, não! (estarei a apanhar o jeito?)

Foi na careca,
Que elas adoram
Onde pingaste feliz,
Molhaste-me todo. (não rima, mas é a verdade)

Corri de volta
Com medo de ti,
Peguei o que te guarda
Ou me guarda a mim. (já não sei bem quem é que ele guarda, mas não faz mal)

De novo t' olhei,
Sorriso maroto,
Anda cá ó água,
Lava-me os pés. (ok, perceberam? Com o guarda chuva, só molho os pés... certo?)

pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 12:41
link | tocar à trombeta | favorito
|