Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Sacana da Paula

Sacanas das peruas

O Gang do Xunga

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Quinta-feira, 19 de Junho de 2008
Sacana da Paula

A Paula (nome de código) é uma miúda porreira, lá do trabalho, com quem eu simpatizo e por quem tenho bastante estima, acrescendo de forma positiva o facto de ser bem apetrechada frontalmente, pese embora a falta de sintonia e estética abaixo do umbigo. A propósito da ida do parque mencionado no post anterior, mostrei-me completamente renitente em participar na coisa. Ela insistiu, ah e tal, anda lá, deixa-te de fitas, não sei quê da piscina, blá blá blá, deixa-te disso e tal. E eu respondia, que não, que não gosto de más companhias.

 
É que, entre o magote de gente, iria uma das peruas – ainda por cima, a mor – que me têm deixado o sistema nervoso infestado de pulgas ao longo deste ano de iniciação ao patronato. Confesso que é daquelas pessoas a quem eu partiria o pescoço com o maior das descontracções. Tem focinho de pintassilgo, ombros estreitos tipo canguru, e umas nádegas da largura do Mississipi. Ah, e também tem graves problemas de memória. Bom. Eu, que já não gosto de patuscadas de âmbito profissional, ainda menos gosto quando me apetece partir o pescoço a um dos participantes.
 
A Paula, que é boa rapariga, lá insistiu, e tal, que não sei quê depois das boleias para voltarmos todos porque não sei quem ia para não sei onde e tal e coisa. Quando dei por isso, já estava entalado ao volante do carro com nove frangos assados atrás do banco e um fedor a molho barato por todo o lado.
 
Dada a dimensão do magote, quase que não dei pela perua, o que me permitiu esfrangalhar com gosto as coxas e peitos de frango. E assim foi durante o resto da tarde, inclusive dentro da piscina. Aliás, neste ambiente aquático azulado, a minha atenção estava completamente focalizada no controlo e fiscalização de fraudes, pelo que quase não dei por ela. Vá, minto. Dei uma vez, quando saiu para fora de água e mostrou aquele corpo foleiro e disforme. Um nojo. Adiante.
 
Quando eu pensava que a tarde até ia acabar bem, chegou a hora do regresso. Ah e tal das boleias, fulanos vão com sicranos, A e B vão com C, etc. Ainda não consegui perceber se a Paula fez de propósito para se vingar das minhas iniciais reticências à participação no evento… mas, com tanto carro e tantas boleias, acabei com a perua sentada no banco do morto no meu carro! No meu carro, carago! No banco de trás ia a ruiva, uma colega simpática, que se deve ter divertido à brava com o esquema. Aliás, lá atrás devia dar para ver bem a espuma a sair-me pelo couro cabeludo. Não descansei enquanto o silêncio não se abateu naquele espaço apertado entre quatro portas. Raios me partam a sorte!
 
Uns bons minutos depois de termos regressado todos à instituição, um grupinho de colegas fêmeas divertia-se a relembrar a situação. Parece que seguiam num carro uns metros atrás, onde reinava a galhofa às custas da minha triste sina… sacana da Paula… amanhã faço-lhe a folha… pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 00:01
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Setembro de 2007
Sacanas das peruas
Isto de estar no patronato é um verdadeiro teste à paciência. O patrão Zé hoje andava todo agoniado, logo desde o princípio do dia. Aproximava-se a primeira reunião com os chefes de departamentos e mais uns quantos prendados com assento. Regresso de férias, ah e tal, boa altura para medir forças. As peruas, infatigáveis fãs do ex-patrão, resolveram chatear toda a gente. A mim, não chatearam porque eu não tinha assento na reunião. Mas chatearam o patrão Zé e quase toda a gente. Discursaram sobre assuntos nos quais não estavam abonadas de conhecimentos de causa, exigiram coisas a que não têm direito, bloquearam a aprovação de documentos importantes e com isso conseguiram emperrar o normal funcionamento da instituição, falaram, falaram, falaram, enervaram, despejaram. Ah pois é, que a cultura delas não é suficiente para discursaram sobre alguns temas, pelo que, obviamente, foram injectadas pelo ex-patrão com alguma dose de naftalina com aroma a peru. Cometeram o vil acto de apoquentar o patrão Zé, o que é muito feio e não lhes fica nada bem. Tanto não lhes fica bem que até a Claudinha, no final da reunião, veio ter connosco, relembrou o facto de nas eleições ter estado do lado do ex-patrão mas que, agora, isso era para esquecer e fazer avançar o barco que é de todos, mostrando-se muito surpreendida com a atitude das peruas. É o que se chama separar o trigo do joio. Ou, em linguagem mais apropriada, separar o pastel de nata dos dejectos. São umas sacanas, é o que é. Se, por um lado, dá vontade de bater nelas com toda a gana e espetar-lhes com uns bancos de arraial no meio das beiças, por outro lado, torna-se divertido ajustar contas com outras armas, menos exibicionistas e mais eficazes. Enxovalhar e humilhar delicadamente ainda constituem uns belos métodos para ajustar contas. Com dignidade, pois claro. E jeitinho. Um supositório de nitroglicerina, contudo, resolveria todos os problemas, mas, infelizmente, não sei quê, sociedade, civilização, blá, blá, blá… Por falar em civilização, estou agora a lembrar-me que os dias de ontem e hoje foram muito estranhos. E, quando falo em “muito estranhos”, estou a falar de saias e maminhas. Começo pelas maminhas. A minha fã número um apresentou-se ontem com um decote tão profundo, tão profundo, mas tão profundo, que quase dava para ver o rabo a um chinoca do outro lado do planeta. Quase. Na realidade, o que dava para ver eram duas bolas apetitosas de pele bronzeada. Tal aparição obrigou-me a reflectir cuidadosamente sobre o local onde a levar a jantar fora. Não se vai com uma mulher jeitosa com metade das mamas de fora a jantar a qualquer lado, certo? Há que pensar na clientela, em possíveis encontros imediatos, na reputação, enfim, pormenores. Maminhas à parte, ontem e hoje foram dias misteriosos no que toca a saias. Ontem, foi a Paulinha, que se apresentou com uma saia pelo joelho, discreta, selecta, séria, sóbria. A determinada altura do dia, apareceu no gabinete do patronado, para perguntar qualquer coisa, e, tardando a resposta, não esteve para meias medidas: meteu a mão entre as pernas, subiu por ali a cima, e pareceu ajeitar qualquer coisa dez centímetros abaixo das virilhas. O patrão Zé, acho que não topou nada, tão concentrado que estava entre o computador e a resposta que iria dar à pergunta da rapariga. Eu, sempre atento, topei tudo. Mas não percebi nada. Será que estava com o período e estava a ajeitar as abas do seu pensinho em forma de pizza familiar extra-queijo? Hoje, outra colega – que agora não consigo recordar quem era – voltou a repetir exactamente a mesma coisa, desta feita noutra divisão do edifício, e na presença de poucas pessoas. Mas qual é o problema? Está calor debaixo da saia? Esqueceram-se do ventilador? Bom, o facto curioso sobre a saia da Paulinha, é a sua capacidade de mutação. Eu explico. À hora do almoço, juntámo-nos uns quantos para tentar abater um pouco nos restos de comida da orgia do outro dia. A Paulinha, certamente acalorada, sentou-se no sofá à minha frente, em amena cavaqueira comigo e com outra colega. A saia discreta e pelo joelho, transformou-se numa curtíssima mini-saia, arregaçada até às ancas, de tal maneira estava a rapariga esparramada no sofá, pernas cruzadas, ah e tal, calor, à vontade, não sei quê. Não lhe fica bem estes preparos. Não pretendo queixar-me, nem nunca iria chamar-lhe a atenção para se portar com modos, mas, mesmo assim, não posso deixar de reconhecer que não fica nada bem a uma mulher casada e com dois filhos estar para ali, assim, como se estivesse num bordel à espera de um condutor de cisternas. pickwick
publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito
|
Terça-feira, 10 de Julho de 2007
O Gang do Xunga
Hoje foi um dia do caraças. Estou aqui capaz de espetar pregos de aço na testa de alguém. Hoje foi dia de grupos de trabalho, para dar oportunidade às pessoas para, de forma organizada, colocarem no papel aquelas ideias que partilham nos corredores. Ah e tal, podia fazer-se assim, podia fazer-se assado, e tal. Pois, foi dada a oportunidade, hoje, com continuação durante o dia de amanhã. O Xunga do ex-patrão, embora não tivesse sido convocado, marcou presença, para poder injectar veneno nas peruas do seu gang. É tudo uma malta com um muito mau perder, desde o Xunga até às peruas, e vice-versa. E, como é costume, que não sabe perder, enfrenta a derrota eleitoral com cara de poucos amigos, com cara-de-pau, com cara-de-pila-de-morcego. Só ao estalo! Foi recompensador verificar que a maior parte das pessoas aproveitou os grupos de trabalho para, de facto, colocarem por escrito, e em equipa, os pensamentos e as ideias que foram tendo nos últimos meses, tudo a bem da instituição e da sua missão. Pessoas motivadas, cheias de energia, entusiasmadas, produtivas. Gostei de ver. Excepto o Gang do Xunga. Que mais se poderia esperar de um gang de gajas liderado por um gajo xunga? Nada mais, pois claro. Uma é gorducha, mal feita e é conhecida internacionalmente por ser lerdinha todos os dias e até quando nem é dia. Outra é sexagenária, mas tem a mania que tem vinte e quatro anos e que está sempre numa festa da Lili Caneças, vestindo-se diariamente a rigor e conduzindo um Opel Tigra amarelo-canário. Outra é casada, mas desde há muitos anos dá umas baldas ao ex-patrão, o Xunga, sendo-lhe conhecida uma famosa queca num pinhal das redondezas, no interior de um conhecido BMW. Outra é neurótica, já se tentou suicidar, toma comprimidos anti-qualquer-coisa e engordou brutalmente nos últimos meses, tal como já dei conta neste blog; o marido é veterinário e bem que lhe podia injectar umas doses de urina de pato para ver se ela acalmava. Depois, anda o gang lá pelos cantos, a tecerem planos maquiavélicos, a roerem-se com ameaças mal esboçadas e feitiços fatais que não têm coragem de concretizar. O Xunga a injectá-las com veneno e elas a reagirem como fiéis canídeos. Ladrem! Au, au, au, dizem elas. Vitelas do caraças! A sexagenária parece mais um cadáver de mula do que uma vitela, mas isso agora são pormenores. Amanhã será outro dia. A dose final será no final, em plenário, oportunidade excelente para se lançarem petardos e peidos mal cheirosos para o meio da plateia. Não bastasse os maus fígados dos membros do gang e as respectivas mentes distorcidas pela parvoíce, o pessoal não percebeu o que é um dia de trabalho em grupos. Tentei ser claro: jornadas de trabalho para dois dias, divididas em quatro blocos; uma manhã, uma tarde, outra manhã, e outra tarde; N grupos de trabalho, distribuídos pelos quatro blocos, sendo que o pessoal se inscrevia nos grupos. Depreendia-se, pensava eu, que as pessoas estariam ocupadas durante os dois dias, certo? Mas, umas mentes brilhantes entenderam que só se inscreviam num grupo de trabalho do segundo dia, pelo o resto do tempo podiam ir alourar as pilas e as passarecas. Mongos! Cérebros de minhoca! Três bufardas em cada um, era o mínimo. Enfim. Anda um gajo a organizar coisas para depois desligarem o tradutor de português-português. No fim do dia, depois de umas peripécias protagonizadas pelo gang, comentava a Rosinha (sexagenária também) entre amigos: ah e tal, o que vale é que o (eu) é uma pessoa muito calma… Pois sim, pensei eu para com os meus botões. Se ela soubesse o pouco que faltou para me saltar a tampa e arrancar as cadeiras do auditório e fazê-las engolir às peruas do gang e enfiar o projector de vídeo pelas narinas acima do ex-patrão e regá-los a todos com gasolina sem chumbo noventa e cinco e pegar-lhes o fogo e embrulhá-los na tela de projecção e atirá-los do telhado e rasgar-lhes os pneus dos carros e partir-lhes as tíbias com um taco de basebol e arrancar os ovários a elas e pendurar o gajo no tecto preso com fio de pesca por um dos testículos… Coisas assim… Pessoa muito calma, dizia a Rosinha. Está bem. Bom, como se não bastasse isto tudo, o dia teve, ainda, como protagonista falhado, o próprio senhor sol. Querido sol, hoje andaste a vadiar e não vieste cá? Como passei o dia todo enfiado dentro de um edifício, desde as oito e trinta da manhã até às vinte horas, quase que não te via. Contudo, rapidamente descobri que te andavas a baldar, que estavas a falhar, que tinhas ido vadiar para nenhures. E como é que eu soube disso? Simples: o vestuário das minhas colegas, hoje, era abundante! Ou seja, por causa da tua vida de boémia, fiquei privado das poucas coisas que podem animar a vida a um triste como eu dentro daquele edifício. Em face disto, aqui te deixo um apelo: querido sol, amanhã, por favor, apresenta-te a escaldar por volta das nove e meia, hora a que a maior parte das minhas colegas vão sair de casa. Está bem? Obrigado. pickwick
tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 00:21
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito
|