Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

No espírito da gazela

Gazela escarafunchada não...

Que raio está a fazer um ...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Domingo, 28 de Julho de 2013
No espírito da gazela

Programa para um final de tarde de Julho: ir de carro até casa do Nestor (nome de código), descarregar a bicicleta, ir de bicicleta com o Nestor até casa do Pascoal (nome de código), beber umas minis que o Pascoal tinha prometido meter ao fresco, dar uma voltinha de bicicleta pelas matas ao redor da terrinha do Pascoal, regressar a casa do Pascoal, beber mais umas minis que entretanto já estariam mais geladas do que as anteriores, regressar a casa do Nestor, carregar a bicicleta no carro, e regressar de carro a minha casa. Adoro programas saudáveis para um dia de Verão!


Onde é que entrou a gazela? Entrou na parte do programa em que estávamos a regressar a casa do Pascoal para a segunda (e última) rodada de minis e não havia mais minis. Ao invés, havia vinho verde Gazela geladinho, camarão salpicado de sal grosso, queijinho, omelete, manteiga, pãozinho, batatinhas fritas exóticas, e tostas. O Nestor ria-se e abanava-se no banco e fazia de conta que não queria mais vinho verde de cada vez que o Pascoal esticava o gargalo da garrafa para a beira do copo dele. A mulher do Pascoal parecia satisfeita por haver gente de bom garfo a fazer uma visitinha. O Pascoal estava divertidíssimo e parecia que não comia tostas com manteiga desde 1984. Eu ia descobrindo, a pouco e pouco, que os planos para um jantar saudável de água com duas barrinhas de cereais tinham ido pelo ralo do esgoto abaixo.


O regresso a casa do Nestor, já com o pôr-do-sol à vista, foi feito no verdadeiro espírito da gazela. Mas só no espírito. Porque, com aquelas subidas íngremes sem escadas rolantes, a serem trepadas por corpos encharcados em vinho verde e atulhados de petiscos, não havia gazela alguma! Quando muito, uns esbeltos exemplares de Syncerus caffer! pickwick

publicado por pickwick às 19:51
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Maio de 2004
Gazela escarafunchada não é nada bom
Hoje voltei a cruzar o meu olhar incisivo nas fronhas da gazela da estorieta da savana. Estava de óculos. Parecia outra. Parecia que uma retroescavadora das obras de alargamento do IP5 lhe tinha feito uma visita à zona das beiças, deixando estragos medonhos e agonizantes. Com os óculos por cima, pior ainda. Não há condições, assim. Não há qualidade. Devia haver qualidade. Controlo de qualidade. Quando fosse a sair de casa, a bófia devia aparecer lançada nos seus carros multifunções e atravessar-se-lhe à frente, obrigando-a a remeter-se aos seus aposentos ou então a submeter-se a uma recauchutagem. Qualidade visual. Isso mesmo. Alguém bufou o nome dela na sala mas eu nem consegui perceber bem... era uma linha directa entre eu, à entrada da sala, e ela, sentada no sofá, atrás daqueles óculos de mergulho a grande profundidade. Sem sofás pelo meio, o que é extraordinário. Enfim. Fiquei desfeito, note-se. A babar-me ligeiramente, mas ainda assim, desfeito. É como o leão a micar uma gazela cinquentona e escanzelada, acabada de ser atropelada por uma manada de zebras aos quadradinhos. Dramático. Muito dramático. Um dia destes vou ter com ela e... e... enfim... é melhor não... pode dar-me uma coisa má e trespassar-lhe o esófago com um profundo golpe dos caninos. Carago! E ainda apanho alguma doençola que me lixo. É melhor levar uma daquelas cenas que os pugilistas metem nas dentuças. Hum... esta vida é mesmo difícil... pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 00:38
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Maio de 2004
Que raio está a fazer um sofá no meio da savana africana?

Eu a bem que só me vem uma coisa à cabeça quando finalmente tiro os olhos de cima dela: aqueles documentários extraordinários sobre a vida animal no meio do continente africano, onde o leão, numa fracção de segundo, dá mesmo de caras com a presa do mês, uma bela gazela de pelugem aloirada e ar de quem vai à horta regar a salsa. Não vá o par de orelhas traí-lo, agacha a carola abaixo do nível do lombo (como se o lombo tivesse ido dar uma voltinha ao jardim), o seu fabuloso corpo repleto de músculos transforma-se subitamente num sucesso de breakdance, movimentos pausados, mecânicos, pêlo eriçado (no dançarino de breakdance seria a carapinha eriçada, mas não faz mal, que vai dar ao mesmo), enfim, arte. Findos alguns passos, não se aguenta mais com tanta impaciência e, em meia dúzia de saltinhos pouco elegantes para uma passerelle, está abocanhando o pescoço da gazela, babando-se sozinho com tamanha alegria e prazer que tal gesto lhe proporciona. E depois come a gazela. Bom, é assim que eu me sinto. Quer-se dizer, mais ou menos assim. A bela gazela não é assim tão bela. De facto, até é mais cheia que a gazela, embora não demasiado. Não estou a dizer que seja gorda, que não é, mas também não é levada pelo vento quando sobra a brisa. Não é que seja perfeita... quer-se dizer... eu até a acho perfeita... e até tem pelugem aloirada, ou pelo menos aparenta. A menos que se pinte, o que é muito feio. Sei lá. As mulheres têm destas coisas. Mas é assim mesmo, eu paro no meio da sala, e sinto-me um leão. Os leões - dizem - nem costumam caçar, que para isso estão lá as leoas, para irem às compras e trazerem gazelas p'ro almoço. Mas não faz mal, faça-se de conta que os leões caçam e fazem essas figuras tolas de pararem no meio da savana a olhar para a uma gazela. Faça-se de conta que as leoas, assim sendo, não são ciumentas, para não haver problemas. E pronto, parece que agacho a cabeça, para passar mais despercebido, dou um passo em frente e estaco, imóvel, pronto para o salto. E bem que saltava. Mas, ó pá!, na sala há sofás e mesas... As mesas ainda vá que não vá, mas agora o sofá??? Aí é que se me estraga o filme todo... saltar por cima do sofá e voar até cair mesmo em cima dela, as garras já de fora para lhe agarrar sedutoramente, e abocanhar-lhe aquele pescoço lindo, lindo, lindo... Era bonito, confesso. Se ela cortasse o cabelo ainda era melhor, para não ficar com uma mão cheia de cabelos cheios de tinta entalados entre a fiada de dentes que emergem da minha mandíbula superior. Mas pronto, faz de conta que usa cabelo curto. Não há crise. O Sofá é que estraga mesmo tudo. O sofá é para outras coisas. Para além de não haver sofás no meio da savana, os sofás têm utilidades mais... como direi... proveitosas... do que servirem meramente de trampolim para o salto da glória. Isto é que me lixa os sonhos, bolas! Raio dos sofás! Para mais, ainda nem sequer comprei um sofá para a sala da minha casa. Que atrofio. pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por riverfl0w às 22:20
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito
|