Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Correcção técnica

O frango e o anúncio gay

Crítica cinéfila

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008
Correcção técnica

Por lapso, culpei um dos três magos de dar um beijinho no nariz do esquimó. Afinal, segundo ouvi hoje na rádio, foi o esquimó que deu um beijinho no nariz do mago.

 
No entanto, continuo na minha:
 
1. Os esquimós esfregam os narizes, pelas razões já adiantadas. Beijinhos no nariz já é desvirtuar a tradição, em favor de tendências menos másculas. Ou seja, é um gesto gay. Estamos, claro, a ter em conta, tão só e apenas, trocas de beijinhos entre indivíduos do mesmo género.
 
2. O mago ficou com um sorriso de orelha a orelha quando o esquimó lhe deu um beijinho no nariz. Como quem tem um arrepio na espinha provocado por um intenso prazer. Que é isto, senão a revelação de uma tendência menos máscula? Magos gays! Onde isto já vai.
 
Em jeito de conclusão, e porque estamos a falar de esquimós, a minha fraca memória ainda consegue reter, após tantos anos, uma cena de um filme com o Anthony Quinn, que fazia de esquimó ou algo semelhante. O António chegou a um iglo, perdido no meio de nenhures, debaixo de um temporal muito feio, com muito frio e muito vento. O proprietário do iglo, como era tradição hospitaleira, convidou-o a entrar, para se abrigar. Lá dentro, estava a mulher do proprietário. Como mandava a tradição, a mulher disponibilizou-se para aquecer o visitante, através de uma técnica que acho fantástica. Tirou as botas e as meias ao António, levantou a sua própria camisola (sem soutien, note-se) e puxou dos gelados pés do António para junto dos seus maravilhosos e consistentes seios, baixando a camisola! Isto sim, é uma esquimó a sério.
 
Acho que depois, segundo a tradição, o António também teve direito a uma queca, mas, dada a banalidade do acto, não me ficou na memória se sim ou se sopas. pickwick
tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 11:47
link | tocar à trombeta | favorito
|
Domingo, 30 de Novembro de 2008
O frango e o anúncio gay

Estou a rapar o fundo da taça de plástico barato que, minutos atrás, estava cheio com o meu jantar de hoje. O facto de ter decidido comprar uma garrafa de tinto para, na solidão deste apartamento, celebrar a véspera do feriado de 1 de Dezembro, contribui fortemente para a componente erudita deste post.

 
E o que é a ementa para hoje? É um petisco da minha exclusiva autoria e tem o nome artístico de “Frango enrabado por uma mangueira”. Passo a explicar: mete-se ao lume uma panela com água e macarrão (parece uma mangueira cortada aos bocados), temperado com nós moscada e uma pitada de sal; na frigideira, quatro quintos de uma cebola (não me apeteceu cortar o resto) em azeite servem de cama a um bife de frango, temperado com piri-piri, alho, pimenta preta e salsa, que coze durante longos minutos; no fim, mistura-se tudo na panela do macarrão, serve-se num alguidar e acompanha-se com um Dão à maneira (com efeitos nocivos na capacidade de raciocínio).
 
Isto de passar um fim-de-semana sozinho em cada, dá para estas coisas.
 
Bom, e o anúncio gay? Eh pá, é aquele que agora passa na rádio… ah e tal, singing aia iupi iupi ai, não-sei-quê, e um beijinho no nariz do esquimó!
 
Um beijinho no esquimó?!
 
Os esquimós esfregam o nariz, porque as luvas grosseiras não dão muito jeito para apertos de mãos, nada mais! Ora essa! Beijinhos no nariz, das duas, uma: ou se dão às criancinhas, quando não estão evidentemente ranhosas, ou, então, pura e simplesmente não se dão.
 
Anúncios gay no Natal de 2008. Era só o que me faltava… pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 21:53
link | tocar à trombeta | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007
Crítica cinéfila

Ora bem, vou estrear-me nesta arte por si só que é a crítica cinéfila. Ou seja, vou ao cinema, faço de conta que sou um gajo importante e que existem pessoas que lêem o que eu escrevo antes de irem elas mesmas ao cinema, e ganho o meu sustento assim. Deviam ser espancados, esses gajos! Nem é vida! Bom, fui ao cinema no sábado, sessão da meia-noite e vinte, ver um filme do Mel Gibson chamado “Apocalypto”. Esta é uma obra que se pode chamar um quatro-em-um. Gay, pornográfico, índios e cobóis, e romance. Eu explico. O filme começa com uma cena gay. Muito larilas. Um bando de gajos seminus corre pela selva amazónica atrás de um javali. Montam uma armadilha e matam o animal, coitado. Depois, um seminus come um dos testículos do javali, que lhe rebenta dentro das beiças, esguichando um líquido branco suspeito, ficando para ali a babar-se. Riem-se todos e pronto. Homem que é homem, não anda pela selva amazónia a trincar testículos de animais, ok? Depois, passamos a ter uma cena pornográfica. Os gajos deixam de ser todos larilas e viram machos amazónicos, com mulheres e filhos, à excepção de um matulão com 1,90m de altura, que ainda não conseguiu emprenhar a mulher. O ex-larilas mais velho, num momento mais íntimo, empresta-lhe umas folhas cor-da-embalagem-de-mon-cheri para ele esfregar nas partes baixas e assim fazer logo dez filhos. No acampamento, a desdentada da sogra, depois de insultar o matulão por este não emprenhar a sua filha querida, cola-se na porta da cabana do casal, não desgrudando enquanto o desgraçado não saltar para cima da mulher. Ele salta, ui que é bom, gemem os dois e saem disparados cabana para fora, ela aos saltinhos e ele… Bem, ele atira-se de nádegas para cima do bebedouro comunitário, mergulhando as partes baixas no líquido e, assim, afogando o ardor insuportável. Isto tudo, claro, perante uma tribo que se rebola no chão, todos perdidos de riso. Enfim, esta gente do cinema não consegue fazer um filme sem sexo. Ordinários! De seguida, após a cena gay e a cena pornográfica, começa a extensa parte do filme dedicada aos índios e cobóis. Porrada, corridas, sangue, mortos, feridos, setas, decapitações, prisioneiros, etc. Só faltaram as esporas e os tiros. Até dançarinas houve! Um bocado nojentas, é verdade, mas pronto. Por fim, depois da cena gay, da cena pornográfica e da cena dos índios e cóbois, chegámos à cena de romance. Romance, tipo filme de amor. O herói, que já tinha levado com uma seta no fígado e outra no coração, corre três dias sem comer nem beber nem dormir nem urinar nem defecar, escapando milagrosamente ao inimigo, chegando, por fim, ao pé da sua mulher, que se encontra dentro de um poço cheio de água, com um filhote de cinco anos num braço e um bebé no outro. O bebé tinha sido parido há minutos, debaixo de água, e ainda estava ligado à senhora pelo cordão umbilical. O gajo safou-a do afogamento, mais aos putos, partiram dali e foram começar a vida para longe. Lindo, lindo, lindo. Adoro estas cenas românticas. Depois desembarcaram os espanhóis e tal, mas isso é outra estória. Mel, ganda filme, carago! Estiveste mesmo bem! Escusavas era de ter metido aquela cena do gajo a trincar um testículo de javali e a rebentar-lhe a coisa toda na boca. Que nojo! pickwick

publicado por pickwick às 00:05

editado por riverfl0w em 19/06/2007 às 19:17
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (2) | favorito
|