Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Questões de peso…

Hormonas masculinas

Beijos, beijinhos e beijo...

Ó Nélia, esquece lá isso

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 7 de Setembro de 2011
Questões de peso…

Hoje, houve ajuntamento de rancho no trabalho. Tocou o clarim para reunir as tropas, grande algazarra, ah e tal, e a malta já não se via há quase um mês e meio. Beijinho para aqui, beijinho para ali. Detesto trocar beijos com colegas de trabalho, mas elas penduram-se-me nas beiças e não tenho como enxotá-las sem que pareça um homem das cavernas. Bom, em abono da verdade, com algumas colegas – mas só mesmo algumas, tipo elite em círculo restrito – até não me importava de trocar mais um par de beijinhos e meter a mão no fim das costas, tap-tap, ah e tal, estás boa?, estou a ver que sim, eventualmente afagar-lhes os cabelos e mais não-sei-o-quê. Mas, isso agora não interessa.

 

Neste jogo social de confraternização e actualização de dados, algumas colegas fizeram o favor de me presentear com alguns comentários de índole fisionómica: ah e tal, estás mais… coiso…; ah e tal, estás mais elegante; ah e tal, estás mais magro. Uma delas, em particular, que tem um problema gravíssimo de relacionamento com a tecnologia informática, em particular com o Excel, foi mais profunda: ah e tal, estás mais novo p’raí uns 10 anos!

 

Ora bem. Tendo em conta os comentários de há poucas semanas atrás, que ah e tal agora estás gordo e careca, como quem fala com desdém de uma travessa de peixe apodrecido, tenho a concluir, pelos factos ocorridos hoje, que:

 

1. No prazo de mês e meio, baixei a minha cotação de elefante africano para bisonte americano. Estou orgulhoso de mim mesmo, carago! Estou capacitado, portanto, para saltitar, alegre e pimpão, no interior de uma loja de cristais, sem que isso traga prejuízo a alguém.

 

2. A careca, rodeada de pequenas colónias de cabelos brancos, ao invés de ser exclusivamente um factor de envelhecimento da imagem, pode ser, também, um factor de rejuvenescimento inesperado dessa mesma imagem. Fascinante!

 

Entretanto, a minha sub-sub-sub-patroa (arre lá para as hierarquias) fez-me uma festinha muito fofinha pelo braço esquerdo abaixo (quase trinta centímetros), despedindo-se “até amanhã”. Foi um gesto muito lindo, digo eu. pickwick

publicado por pickwick às 21:30
link | tocar à trombeta | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Agosto de 2011
Hormonas masculinas

Já devia ter escrito este post há uns oito meses atrás, mas só agora me veio a vontade. É como quem anda para defecar há oito dias, mas só passado esse tempo todo lhe vem a verdadeira vontade. Mais coisa, menos coisa.

 

No mundo, há três tipos de mulheres: as giras (A), as feias (B), e as mulheres com excesso de hormonas masculinas (C).

 

(A) No vasto grupo das giras, estão as verdadeiramente giras, as boazudas, as boazonas, as boas, as fofinhas, as carinhas larocas, a xixa fresca, enfim. Todas aquelas que me apetece agarrar e encher de beijos até ficar com as beiças desidratadas. É um grupo muito vasto, garanto. Isto não é uma questão de baixar a fasquia de qualidade, mas, apenas e só, um reconhecimento justo de que a mulher é, por natureza, algo bonito de se ver, de se apalpar, de se cheirar.

 

(B) As feias, bom… são irremediavelmente feias. Tenho que reconhecer que é um grupo pequeno, felizmente. Assim do tipo reduzido, vá. O rosto é desagradável, sem remédio possível, e às vezes parece que passou um búfalo por cima. Deve ser uma coisa inexplicável, relacionada com as proporções faciais. Não quer dizer que não sejam as melhores das pessoas deste mundo. Nem é isso que está em causa. É apenas uma apreciação fria e sem cor de um aspecto físico que, afinal, até é irrelevante, quando comparado com outras coisas do mundo.

 

(C) Quanto às mulheres com excesso de hormonas masculinas, para além de também serem poucas, felizmente, não há muito a dizer. Não estou a falar de mulheres peludas, de pêlo fofinho; estas, até dá gosto passar a mão pelo pêlo, como se costuma dizer, ou até dar uma lambidela, como quem brinca aos gatos. E também não estou a falar de mulheres de pêlo grosso, porque as há que tresandam mas é a hormonas femininas. As verdadeiras mulheres com excesso de hormonas masculinas, são aquelas que, com mais ou menos pêlo que a média, ao beijarmos, ou abraçarmos, parece que estamos a fazê-lo com um gajo! Carago! Podem ter quase pêlo nenhum, podem ser atraentes, sensuais, e tudo, e tudo, e tudo, mas vai-se a beijar e parece que se está a beijar um gajo que não é da família. Muito desagradável, portanto. Não sei se é de algum tipo de textura da pele, ou alguma fórmula nas feições do rosto, ou se é apenas falta de jeito para serem mulheres! pickwick 

 

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 18:11
link | tocar à trombeta | favorito
|
Sábado, 29 de Dezembro de 2007
Beijos, beijinhos e beijocas

Após o regresso ao lar doce lar, aqui na aldeia, retornei ao serviço no meu distinto posto de trabalho, atrás de uma secretária, no belo gabinete do patronato. A pasmaceira reinava no edifício. Umas senhoras dedicavam-se a lavagem e limpezas, aqui e além. Eu gosto destes ambientes, assim, de pasmaceira, sem o formigueiro de gente de um lado para o outro. É bonito! É saudável! É acolhedor! Mas dura pouco tempo! Ah, pois é! Quando dei por isso, já tinha uma colega a entrar pelo gabinete dentro. Beijinho daqui, beijinho dali, e toma lá uma prendinha para vós todos. Mais tarde abri e era uma caixa repleta de chocolates da Ferrero Rocher… horrível… Bom, eu pensava que já tinha acabado a vaga dos chocolates que atacou implacavelmente nas semanas antes do Natal, mas, afinal, ainda está para durar. Pior que mais chocolates, é ter que trocar beijinhos com colegas. Eu nunca gostei muito de beijos. Não sei se é algum trauma por a minha bisavó ter um bigode estilo D. Carlos I. Não sei se é pelo promiscuidade que se gera. Nunca gostei, pronto. E, na última semana, tem sido um exagero. As minhas colegas fizeram questão de me vir pregar dois beijinhos a desejar Bom Natal, quando durante dois anos nem um aperto de mão se atreviam. Eu não acho bem. Primeiro, porque eu não gosto dessas cenas abichanadas de trocar beijinhos com as colegas. Segundo, porque me obrigavam a levantar o traseiro da cadeira e dar a volta à secretária, o que, depois da segunda vez, começou a tornar-se muito cansativo. E hoje foi a mesma coisa. Apareceu a Fátima, chuac chuac, depois apareceu a outra Fátima, chuac chuac, depois apareceu a Maria, chuac chuac. Não há condições de trabalho, assim. Fui salvo por uma das minhas colegas do patronato, que, numa clara demonstração de sapiência superior, topou que eu não sou de beijinhos e cumprimentou-me com um sorriso e uma palmada nas costas. Obrigado, colega. Só tu me compreendes. As duas Fátimas foram-se embora e mais dois beijinhos para cada uma, depois da tradicional voltinha à secretária. Irra! Eu acho que esta cultura do cumprimento deveria mudar. Apertos de mão para toda a gente e pronto! Beijos é na namorada, na esposa ou na amante. Ou na filha. Nossa. De resto, é tudo corrido a aperto de mão. Ou à índio, braço no ar: ugh! Hoje fiquei com a sensação de que as gajas gostam de dar beijinhos nos gajos. É daquelas sensações sensoriais fantásticas, inexplicáveis pela razão. Não percebo qual é o gozo, especialmente quando o gajo – moi – vai para o trabalho todo gordo que nem um texugo e com barba de quatro dias. Enfim. Tremo só de pensar como será no primeiro dia de trabalho de dois mil e oito. Vão andar todas a beijarem-se umas às outras? Vão andar a correr atrás dos gajos para roubar duas beijocas? Depois vão tentar a terceira e quarta beijocas com a desculpa que se tinham esquecido que já haviam dado a primeira e a segunda? Ah e tal, já te tinha cumprimentado? Ah e tal, não faz mal, dá cá mais duas. Ora bolas! Vamos lá ver… E espero que não tragam mais chocolates. Eu gosto de chocolate, mas já tenho chocolate até nas veias dos olhos, debaixo das unhas e a gotejar do umbigo. A cera dos ouvidos acho que já é castanha! Até o Big Mac me soube a chocolate! pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 15:33
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007
Ó Nélia, esquece lá isso

Depois de umas horas ao volante pelas estradas portuguesas pouco abaixo do rio Douro, cruzando-me com mais matrículas estrangeiras do que nacionais, ouvindo a Rádio Comercial e outras estações não tão nobres onde aquela peca em cobertura, os meus pensamentos voaram até uma vedeta que circula por aqui e por ali, enchendo-se de dinheiro e fama às custas dos consumidores. Falo da Nélia, essa estrela da canção esganiçada. E, nada de confusões: é Nélia Furtado, e não Nelly Furtado, ok? Se os brutos do continente dos mustangs não sabem soletrar o “a” no final do nome da rapariga, problema deles! Aprendam! Broncos! Ora bem, como já toda a gente deve ter reparado, a Nélia é, também, vedeta de um spot que costuma passar na Rádio Comercial, em que diz não sei quê, ah e tal, pisca o olho, e acaba com “bêjinhus”! E aqui é que está! “Bêjinhus”? Mas que raio é isso, Nélia? Será que queres dizer “beijinhos”? Tipo beijocas, choca-beiças, ou coisa do género? Vou acreditar que sim. Assim sendo, ou seja, partindo deste pressuposto, devo dizer-te, Nélia, que não estou interessado nos teus beijinhos. Embora não te conhecendo pessoalmente, devo dizer que, quando te ouvi pela primeira vez a distribuir beijinhos na rádio, tive que ir à Internet procurar umas fotografias tuas, para ver como tu eras, para ver se tinhas uns lábios sensuais, para ver se valeria a pena receber beijinhos teus. Como não tenho televisão em casa, tenho que me socorrer destas modernices, percebes? No princípio desta pesquisa, comecei a ficar fascinado. As imagens que apareciam mostravam uma brasa, um mulherão daqueles de fazer resfolgar o mais fogoso dos garanhões, uma deusa. Enfim, pouco depois descobri a verdade: tudo não passava de transfigurações, ou por maquilhagem, ou por fotomontagem. A verdade é que, em pouco tempo, descobri o teu verdadeiro “tu”. Uma fulana vulgar, demasiado vulgar, tipo lavadeira de terraços, feições mal feitas e desproporções corporais. Não é que eu seja esquisito, mas é que é mesmo assim. Até senti arrepios, vê lá tu, ao imaginar um beijo teu, frio, insensível, desumano, pegajoso, mórbido, besuntado. Lábios feitos de sola de sapato, secos e sem sabor. Um nojo! Isso de ah e tal umas cantigas e umas maquilhagens podem convencer o povo, mas não me convences a mim. Mulher que é bonita, salta à vista sem qualquer maquilhagem. E essas, são raras. O resto, é como tu: só brilham com um jeitinho. Um grande jeitinho! Depois, quem acordar no dia seguinte ao teu lado na cama, que se amanhe e reze para não sofrer de problemas cardíacos. Não leves a mal estes rasgos de sinceridade. Antes de viveres ofuscada pelas luzes da ribalta, por certo tinhas espelho em casa e sabias muito bem o que lá encontravas. Compreendo que, agora, te seja difícil recordar esse passado pouco ofuscante. Eu, se de repente começasse a vender milhões de discos e a andar misturado com estrelas e a usar pó de arroz e a besuntar as beiças diariamente com batom psicadélico e a posar para fotógrafos profissionais, acho que também me convenceria que era um rapaz estupendamente lindo e bem feito e atraente e incapaz de tirar macacos do nariz. Aliás, acho que me bastava vender uns milhares de discos e começar a usar batom para ter, em poucas semanas, dezenas de fãs histéricas e babosas, a aparecerem nos meus concertos com placas gigantes a dizer “you’re hot” e “come and eat me” e outras frases igualmente românticas. Até que, um dia, quiçá, surgiria uma bloguista do contra, que teceria comentários pouco abonatórios e pouco dignos da minha condição de estrela, argumentando com o meu mau aspecto natural, as minhas olheiras permanentes, o excedente de peso, blá blá blá, e depois eu teria que descobrir quem era a safada e apanhá-la e dar-lhe uma carga de pancada e partir-lhe os dentes e arrancar-lhe o cabelo e metê-la a assar num micro-ondas. Felizmente, para evitar toda esta turbulência, com batons e arraiais de pancadaria, fico-me pela futilidade da minha existência, deixando para ti toda a diversidade de variáveis que vêm por acrescento à fama, incluindo gajos chatos a fazerem tratados científicos sobre as tuas virtudes. É a vida! Seja como for, ó Nélia, esquece lá isso dos “bêjinhos”, está bem? pickwick

publicado por pickwick às 00:00
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (4) | favorito
|