Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 6 de Maio de 2004
Teoria do Caos
A ouvir, na voz de João Vaz

O meu blog dava um programa de rádio - Rádio Comercial

 

É incrível o caos que se consegue albergar em apenas dez metros quadrados. É verdade que se trata de uma balbúrdia metódica, compilada por anos e anos de sabedoria desorganizacional, mas isso não explica tudo. Que se desengane quem pensar que falo de uma qualquer repartição de Finanças Públicas, apesar de não ser de todo descabido. Refiro-me apenas àquilo que dizem ser o meu quarto, designação que, obviamente, nego veementemente em público, não vá a minha sanidade mental ser posta em causa.

 

Mas só hoje me apercebi do potencial financeiro que me rodeia… na verdade, tenho aqui uma mina de ouro por explorar.

 

A primeira das hipóteses de exploração financeira seria alugar o espaço para festas de crianças. O estratagema é simples: põe-se o Peixe de Plástico a cantarolar o Fungagá da Bicharada, enquanto os pirralhos usam a cama como trampolim para o monte de roupa por lavar. Mais tarde, podia organizar-se um certame de pintura nas paredes do quarto, com os restos do bolo do aniversariante. Assim estaríamos a complementar a rambóia com princípios de uma vida social activa, o que é altamente aconselhado, segundo psicólogos infantis de renome. Fácil e rentável! 

 

A segunda alternativa, mais rebuscada, seria tornar o quarto num Centro de Inspiração para músicos. É uma verdade inegável que este quarto pode ser a musa de qualquer poeta, mesmo sem o auxílio de alucinogéneos, aos quais recorrem frequentemente. É para mim fácil de imaginar o Pedro Abrunhosa a obter inspiração divina no meu quarto… óculos escuros, careca a brilhar, fato preto sopimpa, com camisinha branca por baixo. OK. Começa-se a escrever: 

 

Uma toalha no chão (entre roupa interior e derivados, sempre se deve encontrar uma ou duas),
uma luz inquieta (a da varanda, que tem a lâmpada semi-fundida à anos),
uma garrafa vazia (Yop Melão),
um cinzeiro apagado (de porcelana, muito bonito, com motivos chineses),
um bilhete no ar (post-it da minha mãe: "ARRUMA O QUARTO!"),
dois corpos despidos (com alguma sorte, é um fenómeno observável). 

 

Em abono da verdade, podiam-se juntar-se duas ou três coisas, embora bem menos românticas: o pó acumulado, os livros espalhados, a cama a chiar (falta-lhe um parafuso, chia por tudo e por nada).

 

Depois, é só pôr a vozinha de gigolot reformado e recitar o poema. Vende-se bem.

 

Entretanto, se conhecerem alguém disposto a adquirir os meus serviços, sintam-se à vontade em entrar em contacto comigo: basta tocarem à trombeta.

 

Enquanto ninguém se propõe, perdoem-me a cobardia, mas vou continuar a deixar a porta fechada quando houverem visitas. riverfl0w
música: ‘Momento’, Pedro Abrunhosa
tags no estendal: , , , ,
publicado por riverfl0w às 14:24
link | tocar à trombeta | favorito
|
4 comentários:
De riverfl0w a 7 de Maio de 2004 às 15:53
Caro comparsa:
A Sociedade Portuguesa de Inventores não aceitou a minha patente. "Quartos desarrumados é o que não falta por este mundo fora", disse a funcionária. Parece portanto que é de borla. :)
De pickwick a 7 de Maio de 2004 às 10:19
Digníssimo colega: quanto terei de dispender para vos pagar os direitos de autor, se pretender implementar algumas das medidas que sugere dentro das belas quatro paredes da minha sala?
De riverfl0w a 6 de Maio de 2004 às 20:55
Mcgonnagall, de facto cheguei a pensar nisso, tirei inclusive a foto. Mas depois de pensar bem, achei que não seria a melhor maneira de fidelizar leitores :P Quanto aos corpos... vais ter mesmo de perguntar ao Abrunhosa =) *
De Mcgonnagall a 6 de Maio de 2004 às 20:36
Devias colocar uma foto dos dez metros quadrados a que chamas quarto =) river... o texto tá um espectáculo, só me falta discodificar os dois corpos... beijinhusss

tocar à trombeta