Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 17 de Maio de 2006
Contadores de Anedotas
A ouvir, na voz de João Vaz

O meu blog dava um programa de rádio - Rádio Comercial

 

A Beatriz, uma pirralha de 11-12 anos, obrigou-me a fazer uma pausa para contar uma anedota nova. Entre enormes sorrisos e uns pulos histéricos, lá foi contando a anedota, que eram mais um enigma do que uma anedota, mas ela ria-se por todos os cantos e insistia que era uma anedota. Pronto. Então, eu estava dentro de uma casa com quatro paredes e uma janela em cada parede. Do lado de fora de cada janela havia animais ferozes: numa, eram 50 leões, noutra 30 “trigues”, outra 100 crocodilos e finalmente mais 10 jibóias na última. Por qual das 4 portas eu sairia? É que não ia querer ser comido, pois não? Portas?, perguntei eu. As minhas propostas de escavar um buraco no chão ou sair ejectado pelo telhado levaram a miúda a refazer a estória toda, sendo os “trigues” sido promovidos a tigres, por via da redução do seu número para 20. As jibóias passaram a ser 100 e os crocodilos transformaram-se em 20 tubarões num rio. Bom. Por fim, pensei qual dos animais poderia ser mais lento e optei pelas jibóias. E acertei! Fantástico. A Beatriz ficou frustrada por eu ter acertado, mas, ainda assim, fez questão de explicar a anedota: é que a melhor opção eram as jibóias porque eram 100… mas não 100 de cem, mas sim 100 de sem, ou seja, sem jibóias e tal… eu fiquei a olhar para ela a pensar se havia de me rir para ela ficar contente, ou continuar com cara de quem comeu arroz de grelos. A Beatriz, caso não saibam, é fã louca dos D’Zrt, dos Morangos com Açúcar e de outro lixo cultural do mesmo calibre. E quer começar desde já uma carreira de modelo. Bom, há gente que devia ser proibida de contar anedotas. Outros, deviam ser proibidos de escutá-las. Destes, lembro-me perfeitamente do Eduardo, já lá vão quase vinte anos. O Eduardo, estudante do 1º ano do curso de professor primário, era um fulano ali da zona da Bairrada, extremamente limitado intelectualmente, mas asseadinho. Tão asseadinho, que ficou famosa a baldada que atirou pela janela do sótão onde vivia comigo e com o Jorge. Baldada de água que usou previamente para lavar os pés fungosos e fedorentos, e que aterrou tragicamente em cima de um transeunte que circulava pacificamente naquela descida que existe junto ao Fórum Aveiro. O Eduardo era um tipo muito concentrado. Em época de estudo intenso, o mínimo ruído era pior que pratos partidos. O Eduardo estudava matemática pelos livros do 9º ano e nós devorávamos manuais de análise matemática de autores russos. Quando o Jorge virava a folha de um livro, o Eduardo quase saltava da cadeira, muitíssimo incomodado. Música no ar, então, nem pensar. E logo connosco, que tanto gostávamos de ter a música ambiente para um estudo mais rentável. Certa noite, após uma intensa sessão de estudo e de umas imperiais no Inhangá (esse mítico bar), o Jorge resolveu contar umas anedotas. Aqui está um rapaz que é um exímio contador de anedotas. Ora, nessa noite, optou por contar “apenas” anedotas do elefante e da formiga. Resmas delas. Não me lembro de quase nenhuma. Só daquela da savana. Eu conto. Num belo dia, na savana, apareceu ao longe um elefante e tal, aos saltinhos ligeiros como se andasse a saltitar num lago de nenúfar em nenúfar. Pelo caminho, atropelou uma multidão de formigas, junto à entrada do formigueiro. No dia seguinte, e nos demais, o elefante repetiu o passeio, ficando-lhe novamente o formigueiro no meio do caminho, produzindo grandes matanças diárias. A tal ponto, que as formigas resolveram revoltar-se e traçaram um plano maquiavélico para eliminar o elefante. Assim, um belo dia, puseram-se todas à espera do elefante, em formação de ataque. O “tum-tum” das saltitadelas do bicho eram impressionantes, mas elas não desarmaram. Quando o elefante ficou ao alcance, uma delas gritou “Agora!” e todas as formigas saltaram para cima do elefante. Este, pressentindo qualquer coisinha em cima da espessa pele, parou e sacudiu-se, atirando para longe as formigas que tinham acabado de saltar-lhe para cima. Todas, menos uma, que resistiu e ficou em cima dele. A esta, todas as outras bradaram lá do chão, em coro: “Esmaga! Esmaga! Esmaga!”... Pronto, contado por ele era de morrer a rir. E quando ele decidiu parar, já me doía tanto a barriga que não aguentava mais nenhuma anedota do elefante e da formiga. Eu ainda não tinha reparado, mas as únicas gargalhadas que se ouviam no sótão eram as minhas e as do Jorge. Os segundos que se seguiram à acalmia, foram cortados pelo comentário do Eduardo, muito sério: “eu não sei que piada acham a essas anedotas… ainda se fossem de alentejanos…“ O próprio Eduardo passou a ser uma anedota, em si próprio, daí em diante. Mudou-se para outra casa ao fim de um ou dois meses, mas ficou-nos para sempre na memória, pelas anedotas, pelas folhas dos livros, pela água de lavar os pés, etc. Cada vez que havia ajuntamento para sessões de anedotas, a figura do Eduardo acabava sempre por aparecer pelo meio, para grande risota geral dos que nunca o conheceram. Mas há mais. A Isabel, por exemplo, não entendia as piadas acima das básicas sobre alentejanos. Qualquer coisinha mais subtil, mas negra, passava ao lado, e a mocinha acabava por se rir sozinha, minutos depois, pela piada que achava de não perceber a piada acabada de contar… E, note-se, a Isabel era uma aluna com notas de 18 valores! Enfim, é como digo: se há gajos que deviam ser proibidos de contar anedotas, outros deviam ser proibidos de as ouvir. É como dar música clássica a um carroceiro! pickwick
música: I Started A Joke – Faith No More
tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito
|
3 comentários:
De leonor a 21 de Maio de 2006 às 18:00
Visita-me em http://mizzotint.blogs.sapo.pt

Beijos
De pickwick a 17 de Maio de 2006 às 13:24
Pois, não sou de nenhuns... ou sou de todos.. depende da ocasião e do penteado... ou não!
De uschita a 17 de Maio de 2006 às 01:12
E tu és de quais?!

tocar à trombeta