Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Quinta-feira, 24 de Maio de 2012
Peito de franga

A Nélia (nome de código) hoje apareceu completamente deslumbrante, nos seus 170 cm de altura, vestido preto até um palmo acima dos joelhos, com aqueles magníficos olhos azuis e a juba nitidamente viking. Os bafos de calor proporcionam momentos assim.

 

No entanto, as coisas dentro de casa ainda “soam” a um início de primavera.

 

Quando a vi, ainda pensei, ah e tal, vamos lá ver se não me chama para nada. As gajas, onde eu trabalho, passam a vida a chamar-me para resolver problemas técnicos com maquinaria sofisticada, incluindo a caça aos bichos virulentos. Com a proximidade do verão, um gajo tem que se mentalizar que vai apenas resolver problemas técnicos, e não vai aproveitar-se das oportunidades para deitar o olho onde não é chamado.

 

E, pronto, a Nélia lá fez o favor de me chamar. Um gajo aproxima-se, com aquele ar altamente profissional, a transpirar preocupação e generosidade, faz um esforço hercúleo para concentrar a linha de vista no objecto do problema técnico, mas, infelizmente, em poucos segundos sucumbe vergonhosamente à tentação, qual fracote a agachar-se perante o feroz rugir de uma meia-leca de gato vadio.

 

Nestes momentos, devia fazer-se uma pausa breve para agradecer o facto de termos os olhos presos ao crânio e o dom de nos equilibrarmos instintivamente. Porque, caso contrário, os meus olhitos hoje teriam saltado para lá das bochechas e caído milimetricamente no meio do decote da Nélia, escorregando por ali abaixo e escondendo-se no umbigo, grunhindo de prazer: uiii!... qu’é tão bom!... Caso contrário, teria simplesmente tombado para cima dela, partindo-lhe os ossos do tórax com o peso farto do meu corpo. Obrigado! Obrigado!

 

Descobri o quão sexy é a “pele de galinha” numa mulher. Fica-lhes bem, sei lá. E assim estava o peito da Nélia. Uma perfeitinha e deliciosa “pele de galinha”. O decote, atenção, não era muito. Não era daqueles decotes do tipo ui-onde-é-que-foram-parar-os-mamilos, em que a área descoberta é tanta que se estranha a invisibilidade dos ditos. Nada disso. O decote da Nélia era sensual, mas discreto. Todinho feito de uma “pele de galinha” que apelava ao conforto de um toque masculino. Um gajo não pode chegar a “vias de facto”, nem pode deixar cair o queixo a escorrer um fio de baba. Um gajo tem que ser forte. E a melhor forma de um gajo ser forte, é fugir. Ah, pois é! Quem diria?... pickwick

tags no estendal: , , , ,
publicado por pickwick às 22:24
link | tocar à trombeta | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Maio de 2012
Falha de pontaria

Depois de três horas de viagem, desde a capital, chegámos finalmente a Coimbra. Parecia estarem em curso as celebrações de um qualquer mega-casamento, tantos eram os carros que apitavam à nossa volta. Um deles atravessou à nossa frente, com três jovens alojados na bagageira aberta, de pernas penduradas no para-choques e segurando copos e garrafas. Provavelmente, não seria um casamento, mas um festejo futebolístico. 

 

Fui levar o meu companheiro de viagem até onde havia deixado o seu carro, numa ruela manhosa algures na zona antiga da cidade. Durante alguns minutos, fizemos a trasfega do material dele para o respectivo bólide. Mochilas e caixinhas, basicamente.

 

Entretanto, enquanto o Miguel ultimava a arrumação perfeccionista na bagageira, dei conta de uma moça ao longe. Loira e elegante, trajada com roupas de cores vistosas, entre o preto e o vermelho, acabava de fechar a porta do seu carro e metia-se a caminho, rua acima, na nossa direcção. Passo lento, como quem não tem pressa, em cima de um par de saltos altos - o calçado perfeito para uma rua com chão de “paralelos”.

 

O Miguel bateu com a porta da bagageira e eu fui ter com ele, com o meu ar de gajo chateado com a sorte: oh pá, já fechaste isso? que pressa! devias demorar mais tempo, para apreciarmos a gaja que aí vem… Fiz de conta que encetava o discurso de despedida, para ver se ela passava por nós. Pelo canto do olho, topei que já estava a poucos metros. Ui! Ui!

 

Nisto, ouço o Miguel: então? andas a passear?

 

Pensei logo: ah e tal, querem ver que a gaja é uma galdéria e o Miguel anda aí na má vida para a conhecer? Olhei-a de frente, enquanto eles trocavam beijinhos e faziam conversa de circunstância. Afinal, era moça para a minha idade, ou pouco mais velha. Mas fazia cá um vistaço! Uiiii!... Muito bem apresentada, realmente. No entanto, a combinação de elegância, roupa e cor de cabelo, fazia-me imaginar rapidamente uma mulher para todo o serviço.

 

Em menos de cinco segundos, o Miguel estava a apresentar-me a moça, beijinho-beijinho, nome para lá, nome para cá, ah e tal esta é a mulher do Fernando. Claro que é, pensei eu, mas que grande argolada! O Fernando é um amigo comum e excelente pessoa. Fiz meia dúzia de palavras de circunstância e meti-me a olhar para as fachadas das casas antigas à volta, na esperança de que a moça jamais percebesse que poucos segundos antes estava rotulada de rameira. Nunca se deve menosprezar a capacidade feminina para adivinhar, apenas com uma simples troca de olhares, o que vai na cabeça de um homem…

 

Pouco depois, despediu-se e foi embora, aguentando-se habilmente por cima dos “paralelos”, qual penico equilibrista. Não troquei palavra alguma com o Miguel sobre o assunto. Fiquei tão engasgado que não me ocorreu mesmo nadinha. Só dei Graças por não ter tido uma inoportuna descaída ao género da construção civil: nem assobios, nem caça aos macacos, nem meio-fósforo entalado nos caninos, nem um piropo de vocabulário refinado. Teria sido um incidente diplomático sem reparo possível. pickwick

tags no estendal: , , , ,
publicado por pickwick às 22:24
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Maio de 2012
Fofo

Era domingo de Páscoa e a família estava reunida à mesa. Dando uso aos meus dotes no manejo de lâminas, comecei por apurar o gume da faca com umas passagens milimetricamente calculadas no fuzil*, em grande estilo. Seguiu-se o trinchar da carne de borrego, o empratamento, a abertura do tinto, etc.

 

A determinada altura, e não me recordo bem a propósito de quê, a minha mãezinha lembrou-se de referir um marco da história familiar, ocorrida em África, cerca de uma década antes de o meu irmãozinho vir ao mundo. Contou ela que, durante os meus primeiros três anos de vida, poucas ou nenhumas eram as pessoas que me tratavam pelo nome. Para o povo que convivia com a minha família, eu era, simplesmente, o “fofo”. Ah e tal, eras tão loirinho, de olhinho azul, tão giro, tão fofo… e o meu irmãozinho, que desconhecia a coisa, já tinha quase um naco de borrego a sair-lhe pelas narinas à custa de umas quase animalescas gargalhadas que fez questão de soltar, qual rebentamento de fogo de artifício. A minha mãezinha ria-se, deliciada por o filho mais novo estar a apreciar tanto uma estória familiar com quatro décadas.

 

Podia ser fofo, mas foi por essa altura que me estreei na arte de beber cerveja até cambalear, e na condução desportiva – o meu paizinho consegui filmar-me a conduzir o carro da família, sozinho e sorridente, terminando o filme com a viatura enfeixada numa árvore.

 

A partir de uma certa idade, devo ter começado a exibir um olhar entre o aluado e o perigoso, e os amigos da família deixaram de me chamar fofo. Ainda bem. Todo o gajo tem que ter um ponto de partida para começar a construir uma reputação. Ou não. pickwick

 

* No sábado passado fui almoçar com a minha mãezinha. Ela, querendo exibir um incremento de conhecimentos técnicos, atreveu-se a tentar afiar uma faca com o fuzil. Foi o suficiente para eu quase entrar em pânico! Aqueles movimentos foram de tal forma, que, por momentos, antevi um golpe no braço, outro barriga e dois nos cortinados! Num gesto instantâneo, embora sereno e suave, sosseguei-lhe a mão, ilustrando o movimento correcto de vaivém da lâmina. Foi o mesmo que querer ensinar um crocodilo engasgado com um naco de gazela a movimentar-se delicadamente numa mesa de um qualquer casamento. Mas o arroz de favas estava divinal!...

tags no estendal: , , , ,
publicado por pickwick às 20:55
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (7) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Maio de 2012
Ui! Não me toques!

Hoje foi dia de mais uma daquelas reuniões. Portugal é um país muito fértil em improdutividade. O tempo, a energia e os recursos humanos que são investidos em acções improdutivas, representam um fenómeno de dimensões assustadoras, mas perfeitamente compreensível, quando damos conta que a pobreza de espírito abunda em todos os níveis intelectuais da nossa sociedade.

Divagações à parte, a reunião decorreu em ambiente fechado e pesado: sete gajas para dois pobres rapazes. Uma das moças, é aquilo a que se chama uma gaja toda boa. Podia dar-lhe o nome de código Todaboa. Ou Boazona. Ou Zonaboa. Ou Zoabona. Ou Zulmira. Zulmira parece-me bem e definitivamente ninguém desconfia.

 

Eu nunca fui de grandes intimidades com a Zulmira. Nunca passámos de meio dedo de conversa profissional em grupo. Mas, hoje, a Zulmira vinha atravessada. Começou com uma entrada triunfante, tropeçando numa calha para cablagem existente no chão e quase saindo pela janela do outro lado da sala ainda agarrada à malinha e aos documentos. Uma coisa dramática, tenho que reconhecer. A Zulmira trabalha noutra instituição e trouxe cumprimentos muito efusivos de um antigo colega que agora trabalha com ela. Acho que isso foi o quebra-gelo que lhe faltava. Puxou de uma cadeira e fez questão de se sentar ao meu lado. E começou a tocar-me no braço ao ritmo de um toque por cada duas frases, mais toque, menos toque. Como estava calor e eu estava de camisa de manga curta, foi mesmo pele com pele. E eu, que sou bem comportado, pensei logo: Ui! Tu não me toques assim, que eu começo já a uivar e a bater com o pé no chão, com ou sem lua. Quase três horas a tocar-me no braço. Momentos houve em que pensei seriamente que ela haveria de meter a mão na minha perna, com a generosa intenção de me transmitir uma qualquer informação de forma mais convincente.

 

Passei a reunião intrigadíssimo com isto. A aliança continuava no dedo. Que raio?!

 

Já para o fim, acho que vi a “luz”. A Zulmira levantou-se para ir ao computador que estava ligado ao projector, para retirar uma pen. Boazona, o tanas! Mais outra com falta de nalgas! Estava tudo explicado! Comecei a fazer contas às proporções corporais e descobri, logo ali, mais umas quantas desproporções a desfavor dela. Eu adoro quando se soluciona um mistério de forma tão célere. Espanto-me comigo mesmo. Ou, como diria o Nando: é só desculpas!... pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 23:00
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (2) | favorito
|
Domingo, 13 de Maio de 2012
Pelo botão “Sigh” no Facebook

Parece que anda ou andou por aí uma campanha para mudar o botão “Like” do Facebook, para escalonar a coisa por níveis. Façam favor. É como as saias, que também têm níveis diferentes, conforme a intensidade do ataque de coração que se pretende provocar.

 

Pela parte que me toca, devia haver outro botão, chamado “Sigh” (suspiro), para aqueles momentos em que uma amiga coloca uma foto no seu perfil, um gajo nem se atreve a clicar no “Like” porque aquilo até é mais que “Super” e provoca gaguez e parece mal deixar essa pegada, e a única coisa que apetece é clicar num botão para suspirar profundamente sem que ninguém dê por isso…

 

Não há uma petiçãozinha para isto? Ou sou o único a ter este desejo? pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 15:31
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (7) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Maio de 2012
Pêra murcha

A Nélia (nome de código) é uma jovem de cerca de trinta anos que colabora esporadicamente com o viveiro florestal onde dedico parte dos meus fins-de-semana. A mãe dela, também colabora e também se chama Nélia (nome de código). Obviamente, mãe e filha partilham o mesmo apelido: Facadas (código para um apelido semelhante). Daí que, quando preciso referir-me a uma delas, tenho sempre que distinguir: Nélia Facadas filha, ou Nélia facadas mãe. Como se um gajo não tivesse mais nada na vida para fazer.

 

Ora, andar a mexer em plantinhas, a meter sementes na terra, etc., que é um trabalho nobre em prol da Mãe Natureza, é uma excelente oportunidade para deitar o olho para o lado. Não devia ser assim, mas é mais forte do que eu. E assim é, de cada vez que partilho o espaço com a Nélia filha.

 

Acontece que a Nélia filha pode ser catalogada numa categoria que eu denomino “pêra murcha”. Não me ocorreu nome melhor para uma categoria, lamento. A Nélia filha, que é uma moça muito fofinha, daquelas que dá vontade de dar umas palmadinhas nas nádegas (é brejeiro, eu sei, mas é daquelas coisas que se sonham e não se fazem), tem uma desproporção corporal que é algo comum nas mulheres: nádegas a alargarem substancialmente e peito mirrado. Faz o efeito de uma pêra murcha, portanto.


Não tenho nada contra, é verdade. Só que, lá está, é daquelas coisas que, ou se gosta, ou não se gosta. E eu não aprecio. Deu-me para isto, agora, já com esta idade. Não lhe falta cintura. Não lhe falta um sorriso muito feminino. Não lhe falta aquela penugem fofinha a descer da nuca para as costas. Mas… menos em baixo e mais em cima, era o que fazia falta.

 

Entretanto, uns quantos espertalhões andam a pressionar-me para ser mais atencioso para com a rapariga. Corre a teoria de que o pai da miúda é que teve a ideia de a meter lá a colaborar: via-se livre da mãe e da filha, já que passavam a vida em casa a azucrinar-lhe o juízo. Teorias. Eu chuto para canto. O facto de me ter passado pela cabeça a inovadora ideia de lhe afagar as nalgas com umas palmadinhas, não implica que lhe queira pegar ao colo e arrancar-lhe as cuequinhas com os dentes. A menos que fosse possível abocanhar-lhe uma nádega e a pressão empurrar alguma chicha até ao tórax… pickwick

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 17:24
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Maio de 2012
Os golpistas do Pingo Doce

Parece que perdi um dia imperdível aos comandos de um carrinho de compras, atestado até aos últimos arames, nos intransitáveis corredores do Pingo Doce cá do burgo. Felizmente, as minhas colegas de trabalho fizeram o favor de me relatar as aventuras daquele mítico dia de feriado. Agradeço-lhes, do fundo do coração, especialmente porque, dos relatos todos, bem espremidinhos até ao último adjectivo, a única substância que sobra é o surpreendente facto de ter havido um surto de golpistas sem pingo de vergonha na cara.

Uma quantidade quase absurda de gente, de muito boas aparências, a injectarem-se subtilmente algures na fila para pagar as compras, nunca a mais de um quarto do seu comprimento a contar da caixa. O truque mais usado foi a aproximação estratégica a uma prateleira para consultar determinado artigo, seguida de um violento ataque de prisão de pés ao chão, como quem assobia para o ar.

O mais extraordinário, a meu ver, foi a reacção desta gentalha quando confrontados por pessoas que subitamente se viram ultrapassadas, assim, sem mais nem menos: sem qualquer pinguinho de vergonha, reagiam invariavelmente com um daqueles ares de espanto e incredulidade, como se tivessem sido apanhados pela polícia de choque a ajudarem uma velhinha a atravessar a estrada ou a salvarem uma criança de morrer afogada! Nalguns casos, quase foi preciso sacudir a escumalha à pancada, tal era a crença no direito constitucional ao golpe na fila das compras. Na maior parte dos casos, foi necessário elevar a voz, quase ao nível do regateio do preço do peixe. 

Em resumo, a sociedade portuguesa está a ficar demasiado podre. Demasiado! E os canais de TV continuam a fazer passar, eficazmente, a triste mensagem de que ser-se podre de valores é perfeitamente aceitável e até pode ser louvável… pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 18:10
link | tocar à trombeta | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Maio de 2012
A boa vida das mulheres

Ainda estou para aqui meio abananado com uma conversinha tida há poucos dias com uma conhecida, brasileira, rapariga para os seus trinta anos e mãe de filhos. Por acaso, e só mesmo por acaso, é muito jeitosa, mas isso agora nem interessa.

Não me recordo como é que a conversa chegou ao rumo que chegou, porque eu ia jurar que eram apenas dois dedos de conversa sobre banalidades, mas, subitamente, estávamos a falar de casamentos e namoricos e dinheiro.

 

Segundo ela, a função da mulher é gozar a boa vida que o marido ou o namorado se encarregaria de proporcionar. Mesmo nos casos em que a mulher trabalhe, compete ao marido ou namorado dar-lhe uma espécie de mesada, para que possa gozar a boa vida a que tem direito. Isto é, sapatos, roupas, joias, passeios, etc. Ainda lhe perguntei se isso não pareceria “pagamento de serviços”, mas ela não fez caso. Ao invés, marcou bem a sua posição: o dinheiro que ela ganhasse a trabalhar, serviria apenas para ela se divertir. As despesas com o dia-a-dia seriam por conta dos rendimentos do homem, o qual ainda teria que presenteá-la com a tal mesada.

 

Eu disse-lhe que, ah e tal, não costuma ser bem assim… o casal divide as despesas, os rendimentos, os bons momentos e os maus momentos, as aflições e os alívios, as tarefas domésticas e os jantares à luz das velas. E, certamente, o namorado não tem nada que dar regularmente dinheiro à namorada, só para que esta goze uma vidinha boa, qual princesa rameira.

 

 Partilhei com ela a minha sentida preocupação de que, numa situação assim, como descrito por ela, o homem resuma a sua vida a um estado permanente de escravidão, tudo fazendo e de tudo abdicando, só para alimentar o desejo voraz de uma vida boa, sempre às compras, sempre a divertir-se. Chutou para canto, claro.

 

Por fim, como que a encerrar a brilhante actuação de uma orquestra, deixou-me este comentário delicioso: ah… assim já sei porque você continua vivendo sozinho… não entende as mulheres mesmo… (com esta é que fiquei sem capacidade de mais argumentar, confesso)

 

Concluindo, é por estas e por outras, realmente, que continuo a viver sozinho, na paz e no sossego de uma muito saudável solidão. pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 23:00
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (5) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Maio de 2012
A importância da cintura

Não saberia explicitar esta minha preocupação com as cinturas femininas, se não tivesse levado uma ensaboadela da minha ex sobre o assunto, há largos anos atrás. Convém referir, contudo, que a minha ex não sabia desta minha preocupação, tal como desconhecia as demais, pois por essa altura eu era um gajo muito despreocupado, excepto com o fenómeno do excesso de pêlos, com o fenómeno do excesso de volume, e outros aspectos de dimensão estética elevadíssima.


Dizia a minha ex, que o macho faz uma inconsciente distinção das fêmeas na perspectiva da procriação bem sucedida. E o sucesso da procriação está directamente relacionado com a largueza estrutural das ancas – que é bem diferente da largueza conseguida às custas da acumulação de celulite! Porque, pois então, uma estrutura de ancas mais larga permite procriar melhor, isto é, debitar cachopos maiores e a um ritmo mais acelerado. O olho do macho detecta isto num relance, sem que o consciente se aperceba. Um gajo está a tirar as medidas às coxas, à penugem, à dimensão e firmeza dos seios, ao cabelo sedoso ou seboso, ao aroma, ah e tal, enquanto o inconsciente está a fazer contas à velocidade da luz. Zás!, 34 cm de ossatura, parideira média, comprado! Só 29 cm?... Nem com um esquilo consegue procriar!


Ora, das ancas até ao umbigo, vai aquilo a que chamamos cintura. Menos ancas, logo cintura menos acentuada, logo reprovação do inconsciente.


E se tiver umas ancas estruturalmente largas, mas sem cintura? Isto é, uma espécie de cilindro. Será boa parideira? Veja-se o caso do hipopótamo: não tem cinturinha nenhuma, apesar de não ser bicho estreito de ancas, e o resultado está bem à vista – uma cria, apenas! Já a Popota foi desconfigurada com o nefasto propósito de accionar os inconscientes alarmes das criancinhas, geneticamente preparadas para a detecção de boas parideiras. Assim, uma Popota com uma ligeira cinturinha – e não o pote de geleia de um real hipopótamo – convence a criançada de que estão perante uma eficaz reprodutora de hipopotamozinhos. Até os paizinhos olham uma segunda vez, para conferir a sua capacidade reprodutora e dar a bênção financeira.


Depois, há os detalhes da cintura. Uma cintura mais discreta e mais flácida, passa a ideia de uma procriação relaxada. Uma cintura mais bem delineada, com um pouquinho de fibra e palmo e meio de músculo, transmite uma sensação de procriação cuidada, bem assistida e vigorosa. Quando há aquele discreto desfiladeiro duplo (“double canyon”) a descer para as virilhas, o olhar perde-se e o coração atrapalha-se, porque o inconsciente está a dar o tilt com o brutal expoente da potência de procriação da fêmea.


Passando à frente da teoria da minha ex, a cintura feminina também tem muita importância pelo facto de que qualquer gajo se sente muito mais confortável quando sabe que a mulher está do seu lado e nela se pode apoiar para não dar uma das muitas possíveis quedas ao longo do trilho da vida. Evidentemente, toda o homem sabe que, numa queda, não vale a pena lançar as mãos às maminhas da mulher, pois aquelas não foram concebidas para os homens se pendurarem nelas e alguma eventual ou bem disfarçada elasticidade pode levar os dentes ao chão. Pelo que, a seguir às maminhas, a caminho do solo, vêm as ancas. Havendo cintura, é como na escalada de montanhas, um gajo tem onde se segurar. Sem cintura relevante, é como querer subir a um poste ensebado, e as mãos deslizam non-stop até aos tornozelos, onde já é demasiado tarde. E não, joelhos salientes não são sexualmente estimulantes nem ajudam a parar o deslizamento das mãos numa queda.


Por fim, há um outro pormenor na preocupação com cinturas bem definidas: o extremo erotismo da roupa que sai por cima. Gaja que é gaja, tira a roupa por cima quando está com um gajo. Cruza os braços com aquele jeito inimitável, levanta-os e a banda filarmónica começa a tocar “Carmina Burana” como se fosse o desembarque de intrépidos pioneiros numa qualquer praia de uma qualquer ilha desconhecida. Não há maminhas que não subam na consideração de um homem quando os braços se levantam. Junta-se, neste momento, a oportunidade bem safada de um gajo poder deitar o olho, em total liberdade e sem qualquer constrangimento, a qualquer parte do corpo (ou roupa) dela. Uma espécie de momento “Red Light District”. Sem cintura, qualquer movimento das magras ancas pode levar a que a roupa caia de forma pouco natural e muito pouco sensual. É o aconteceria se uma fêmea de hipopótamo estivesse em cima de apenas as patas traseiras, trajando uma mini-saia axadrezada e meias de seda fantasiadas, e abanasse a cauda – blerk!... Com cintura, elas até costumam fazer aquele teatro simpático em que fingem que tentam tirar a roupa por baixo, mas descobrem que não passa nas ancas, e ups!, um sorriso traquina, levantam os braços e… lá está… a banda toca a “Carmina Burana” e… pronto… o resto já se sabe… pickwick

publicado por pickwick às 23:04
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito
|
Quarta-feira, 2 de Maio de 2012
Garganta funda

É feriado, que por acaso é Dia do Trabalhador, e um gajo mete-se a jeito para um dia de sossego, na paz e harmonia de um lar isento de stress. Começa-se por abrir as janelas, para deixar entrar um projecto falhado de luz solar. Um passeio matinal de pouco mais de dez metros pelas assoalhadas, para verificar se há monstros mutantes renascidos das cinzas da noite. Um copo de água. As plantinhas estão na mesma, que sem sol não há quem cresça. Ligam-se os dois computadores, verifica-se o mail, tiram-se uns apontamentos, abrem-se uns documentos, planeia-se o dia de trabalho, come-se uma bolachinha ou duas ou cinco, suspira-se de prazer por um dia tão sossegado e promissor. Entretanto, tira-se um generoso naco de lombo de porco do frigorífico e esfaqueia-se cirurgicamente em quatro locais distintos, pelos quais se introduz, a seguir, outras tantas linguiças picantes. Unta-se com especiarias que fazem mal aos corações mais sensíveis e mergulha-se a coisa em vinho branco. Ao almoço, irá ao forno com umas batatinhas. Um gajo até se baba, só de imaginar o petisco. Regressa-se ao computador e prossegue-se com uma pesquisa na lista de espécies autóctones.

 

Nisto, ia a manhã a meio, a campainha da porta começa a zurrar desalmadamente. Deve ser um vendedor de sabonetes lava-rabos ou técnicos de TV por cabo. Devia, mas não foi. Eram dois compinchas de longa distância, que por essa hora deviam estar algures a passear-se pelas serras de Arada e S. Macário. Em vez disso, estavam à minha porta, a sugerirem-me calçar as botas e abalar com eles para o passeio pedestre. Ora, um gajo com tanto trabalhinho para fazer, tanto lombo para assar e comer, tanta paz e tanto sossego, não cede facilmente. Ao fim de muita conversa da treta, e de uma actualização de conhecimentos aos comandos do Inkscape, não tive outra alternativa senão calçar as botas, meter meia dúzia de tarecos na mochila, e sair porta fora, renunciando heroicamente, qual mártir de uma causa desconhecida, a um dia de trabalho e paz e sossego e lombo de porco.

 

Algures no meio de nenhures, ou na Serra de Arada ou na Serra de S. Macário (venha o diabo e escolha!), deixámos o carro numa amostra de povoação, com um nome do género covas-de-qualquer-coisinha, e partimos rumo a uma garganta que subia quase até aos céus, por entre calhaus afiados e vegetação rasteira.

 

Umas fotos artísticas às folhas de carvalho salpicadas por pingos de água da chuva, uma gincana por entre incontáveis poios de vaca, tira impermeável, mete impermeável, volta a tirar, volta a meter, ora chuva, ora sol, enfim. Entretanto, hora do almoço. Paragem numa encosta, pseudo-abrigados do vento e da chuva numa curva abrupta. Chouriça a assar, queijinho, pão da véspera, bolachas, e uma mísera e única garrafinha de tinto alentejano, tudo para repartir por três estômagos esfomeados pelo esforço da caminhada e pelo avançado da hora. Com chuva a meio, o que deu muito jeito para deixar que algumas pingas aumentassem o volume do tinto nos copos – o desespero tem destas coisas… estragar um tinto requintado (Reguengos) com água da chuva.

 

Após o repasto, retoma-se a caminhada, sempre a subir. Entretanto, estala uma acesa discussão sobre vacas, a propósito dos incontáveis poios de vaca que evitávamos pisar, os quais, para surpresa de todos, eram maioritariamente provas inegáveis de que as vacas daquelas paragens não andam a ter a melhor das alimentações. Quem já andou pelo Portugal profundo, em terras frequentadas por bovinos, conhece muito bem o aspecto de um saudável poio de vaca – uma espécie de bolo de côco em cima do qual assentou as nalgas um simpático babuíno. Mas, os poios de hoje, eram mais do género arroz doce com ervas aromáticas e uma pitada de pimenta preta. Uma nojeira. Daí até começarmos a insultar a vacaria da região, foi uma questão de segundos. Só que, a bem dizer, houve ali uma dificuldade linguística conceptual que limitou a nossa agressividade: não se vai insultar uma vaca, chamando-lhe “vaca”. Ainda começámos com isso, aproveitando a liberdade dos montes. Mas, soou tão mal, que… “suas cabras!...”, ainda começou o Miguel… mas, nããã… ainda soou pior… E andavam três gajos, a subir um monte, a chover, no meio de giestas e tojos, a pensar que nomes feios haveriam de chamar às vacas que se borravam todas a subir o mesmo monte. Entretanto, a uns cem metros, três vacas pardas olhavam-nos com alguma atenção. Fiz “mmmm” e uma delas respondeu, mas depois falhou o vocabulário e a conversa ficou por ali.

 

Entretanto, actualização geográfica, o Nando saca das cartas militares para nos posicionarmos no terreno e melhor planearmos a ascensão até ao cume. Ups! Eram da Serra do Caramulo! A conversa mudou rapidamente das vacas indígenas e da falta de consistência do respectivo cocó, para os sinais evidentes e inegáveis de pré-senilidade do Nando – mas ele é que tocou no assunto, nós limitámo-nos a anuir simpaticamente!

 

Umas centenas de metros mais à frente, o terreno começou a complicar-se. O acesso à garganta era impraticável, e o Nando, que era o guia da expedição, descobriu que tínhamos falhado o trilho correcto ainda antes do almoço. Mais um sinal de pré-senilidade, claro. Logo a seguir, outro sinal de pré-senilidade: a bateria da máquina fotográfica tinha vindo praticamente descarregada, assim como a bateria extra!

 

Voltámos para trás, depois de cinco minutos de paragem estratégica para deixar cair livremente uma carga de granizo, regressando ao carro e encerrando oficialmente o passeio pedestre. A meio da descida, mais um sinal de pré-senilidade: a única laje de xisto escorregadia que havia ao longo do trilho, foi precisamente onde o Nando meteu as botas e zás!, de rabo na pedra. Então, partiste o cóccix? Ah e tal, não, não, que tenho umas boas nalgas. Prontinho, adiante, adiante. Conversa sobre nalgas, e as nalgas da amiga do Miguel que tinha quase partido o cóccix porque não tinha as nalgas tão acolchoadas como as nossas e mais não sei o quê… Nestas alturas, dou graças por não termos companhia feminina, senão, não haveria reputação que sobrevivesse ao nível tão eloquente das nossas conversas...

 

À chegada ao carro, o nosso guia fez mais uma descoberta estonteante: olhem, ainda bem que voltámos para trás lá em cima… é que íamos na garganta errada… estou mesmo a ficar senil… - e apontou para uma majestosa garganta afunilada entre medonhos penhascos, sobrevoada por uma camada de nuvens do mais negro que havia disponível, à direita da garganta que tentámos subir e que não nos levaria a lado algum, até porque não tinha mesmo trilho algum para levar ao cume. Mas, aquela outra, sim, era uma garganta para Homens! Enfim, fica para uma próxima. De preferência, quando o guia se lembrar de levar as cartas militares certas! pickwick

publicado por pickwick às 00:40
link | tocar à trombeta | favorito
|