Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011
Apalpou-me o braço!

Desde há já vários meses que uma colega de trabalho me olha com uma insistência pouco discreta. Também manda umas SMS às vezes meio despropositadas. Aparentemente, isto seria delicioso. Mas, a rapariga é casada, é mãe de três filhos e tem características físicas que não abonam a favor de uma hipotética empatia visual: cintura de copo de imperial, caroços de azeitona em vez de suaves mamilos, queixo de golfinho, cabelo de coco empastado, locomoção em “passo doble”, enfim.

 

Físico à parte, usa “prontos” e “portantos” com demasiada frequência para o meu gosto.

 

Seja no local de trabalho, ou à mesa numa refeição, passa a vida a olhar-me. Não lhe fica bem e confesso que me incomoda bastante.

 

Esta semana, fomos a uma reunião a alguns quilómetros do nosso local de trabalho, num dia de chuva. À saída, e porque tínhamos ido quatro pessoas no mesmo carro, saímos juntos. Como chovia e eu não uso guarda-chuva (por causa do Alzheimer), a rapariga insistiu em dar-me “boleia” debaixo do dela. Eu não aprecio “boleias” desta natureza, até porque uma chuvinha na careca sempre ajuda a suavizar as emoções e a dar valor ao lar. Mas, não fui suficientemente explícito quanto à minha vontade de molhar as ideias. A rapariga agarrou-me pelo braço, qual cachorro esfomeado a abocanhar um osso. Mais do que agarrar-me o braço, apalpou-o, como quem dizia: ui, anda cá, ui, ui, nhac, nhac, …

 

Senti-me como que num estado de pré-violação. Como se já me estivessem a puxar pelo elástico das cuecas e a enfiar o dedinho onde o sol não brilha. Ela parecia satisfeitíssima, aos apalpões. Eu contava os metros que faltavam até ao carro. Por fim, a liberdade. Ufa!

 

Nota final: O que é uma “cintura de copo de imperial”? Bom, é como um daqueles copos de imperial de tasquinha, ligeiramente mais estreitos em cima e em baixo do que a meio. Coisa feia de se ver numa mulher, mas frequentemente impossível de evitar. pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 22:43
link | tocar à trombeta | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2011
Tanga vermelha e preta

Há meio ano atrás, escrevi um post sobre uma amiga com quem fui para o campo em trabalhos ambientais. Literalmente. Assim uma espécie de reprodução florestal. Ora, acontece que, há cerca de um mês atrás, voltei a desfrutar da companhia da mesma moça, novamente no mesmo local, e novamente para o nobre desenvolvimento de trabalhos ambientais. Plantas, terra, cães, natureza, etc. Desta feita, não estávamos sozinhos, já que havia mais pessoas a colaborarem, daí que até parecia uma equipa.

 

De um momento para o outro, e já depois de muito trabalho cumprido, reparo inocentemente que a moça andava a trabalhar com uma tanguinha por baixo das justíssimas calças de desporto. Não é que eu quisesse olhar de propósito, mas é um pouco como as bússolas que são atraídas naturalmente para o norte magnético. Não é que as agulhas das bússolas queiram olhar para o norte magnético, mas é um facto que, quando dão por elas, estão de olhos postos no norte. Comigo, é igual.

 

Confesso que não percebo o que passa pela cabeça de uma mulher para ir trabalhar para o campo com uma tanga. Será que potencia a energia braçal? Será que aumenta a resistência física? Será que combate o cansaço? Sinceramente, transcende-me.

 

Filosofias à parte, a tanguinha em questão era arte pura. Vermelha de fundo, com um padrão extra que não quis vislumbrar para não me perder. Rebordo preto e fita preta. Chama-se fita? Aquela tira que parte do minúsculo triângulo à retaguarda, passa suavemente pelo vaginásio e desagua no triângulo da frente. Muito estilo. Ou não. Pareceu-me uma peça de roupa interior dos anos 70 roubada à mãe de uma qualquer arca no sótão. Pessoalmente, preferia uma tanga toda preta. Preferencialmente, usada noutro contexto que não um dia de trabalhos no campo.


A acrescer à indumentária pouco provável, há a considerar o risco corrido por alguns dos colaboradores, nomeadamente os mais idosos e já avôs ou lá perto. Algum deles reparou na tanga? Eu, se tivesse a idade deles, seria assaltado por qualquer coisinha ruim que me deixaria entre o paralítico e o electrocutado.

 

Talvez, daqui a uns anos, surja uma oportunidade para eu lhe perguntar por que motivo insiste em usar tanga. Consta que não tem sido fácil arranjar namorado. Será uma compensação? Não tem namorado para andar de mão dada, então usa tanga para simular a eterna mão-na-mão na privacidade da roupa interior? Ou não.

 

Daqui a duas semanas, vou voltar a estar com ela em mais uma sessão de trabalhos de campo. Será Dezembro e abundará o frio. Ainda assim, quase que aposto como ela vai insistir em usar tanga. Seremos três: dois homens e ela. Não resistirá! E eu, lá terei que suportar o sofrimento de ver, saber, apreciar, mas não tocar. Chiça!, que a vida não está fácil… pickwick

publicado por pickwick às 22:54
link | tocar à trombeta | favorito
|