Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Quinta-feira, 10 de Abril de 2008
O pénis de quem?
Ontem fui acompanhar quinze crianças numa visita à Fundação de Serralves, nomeadamente uma exposição ou museu o lá o que era, com “obras de arte” misteriosas. Uma delas era uma barra metálica estreita, com cerca de um metro de altura, com uma pena na ponta, e espetada na vertical numa base em madeira na qual estava a frase “é uma pena” inscrita a giz. Outra obra de arte era uma gaveta achada na praia, dentro da qual espetaram com mais lixo achado na praia. Arte, portanto.
 
O guia procurava abrir os horizontes às crianças, despertando-os para aquele estado de espírito em que acham que todo o artista é louco e preguiçoso e que só faz aquelas porcarias porque não tem jeito para nada.
 
Dois quadros, em paredes opostas, representavam o “acto sexual”. Uma queca transfigurada pelo artista. No primeiro quadro a queca tinha um espelho redondo e uma fita métrica, no segundo tinha um cisne a saltar dos corpos nus. Nisto, o guia vira-se para a Cátia e pergunta o que representa a cena do quadro. Obviamente é uma queca, mas a Cátia fica sem pio. O guia passa a pergunta ao Mauro, que também perde o pio. Erotismo e pornografia? Blá blá blá…
 
Conversa puxa conversa, que as crianças eram muito tímidas e o guia tinha um ar de larilas, ah e tal, que não sei quem tinha dito que “o pincel é o pénis do artista”, diz o guia. Ah e tal, molhar o pincel. E tal, e molhar o bico. Claro, molhar o pincel, molhar o bico, cisne, sexo, ah e tal.
 
Moral da história, segundo o guia: os gajos que pintam a realidade são “macacos de imitação”; os gajos que pintam porcarias sem nexo e sem jeito, é que são artistas.
 
Moral da história, segundo o João: o homem estava sempre a gozar connosco!
 
Moral da história, segundo metade das crianças: oh, aquilo qualquer um é capaz de fazer!
 
Moral da história, segundo o Nuno: para a próxima, não meto o dedo numa tela, senão levo outro raspanete da senhora da segurança.
 
Moral da história, segundo o Paulo: hihihi… hahaha… hehehe… pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 15:51
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Abril de 2008
Quatro nonos
Algures num dos dias úteis da semana passada, esteve muito calor. Exemplares do sexo feminino, num simpático gesto de boas vindas à Primavera e ao sol e ao calor, apresentaram-se em público com as camisolinhas de quando tinham oito anos, que, como se isso não bastasse, encolheram três vezes na máquina de lavar.
 
Eu, como é hábito, estive atento às movimentações, não fosse alguma querer dar um golpe de estado no Sócrates, ou assaltar um hipermercado Continente. Tanta atenção a estas coisas da vida, leva-me a mente por trilhos ainda por desbravar, entre arbustos de mistério e penedos obscuros.
 
Estive atento, e inventei uma medida padronizada, digna de menção no Sistema Internacional de Unidades. Chama-se “quatro nonos” e representa a fracção de maminha que fica a apanhar ar num dia de muito calor.
 
“Quatro nonos” é uma unidade de medida única, sem sub-unidades, sem escalas, sem nada. Ou tem quatro nonos da maminha ao léu, ou não tem, e neste caso não interessa. Como cheguei a esta fracção? Bom, podia começar por que dizer que ah e tal, são muitos anos de experiência, mas prefiro contar a verdade.
 
E a verdade é que este resultado aparece depois de longos anos de intensas observações e gigantescos estudos estatísticos. Assim, concluí que, se dividirmos a maminha em nove partes iguais, cobrir cinco dessas partes com tecido é o derradeiro gesto para esconder, à tangente, à justa, ao milímetro, o moreno mamilo do pudor. Sim, porque o que provoca pudor não é uma mama-melon-size, nem a exposição de generosos balões, mas, tão só e apenas, a exibição dos mamilos. Ou seja, a mama pode mostrar-se toda, o mamilo é que não. Se o mamilo se vê, pronto, já está nua. Se o mamilo ficar coberto por uma rodela de kiwi, ah e tal, que menina tão pura, está tão vestida!...
 
Andreia, querida, se a tua tia te apanha nesses preparos, espeta-te três bufardos nas mandíbulas e põe-te a cavar batatas com as unhas durante um mês! Põe-te fina! pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 20:52
link | tocar à trombeta | favorito
|
Terça-feira, 8 de Abril de 2008
O longo cachecol
No pretérito fim-de-semana, fui até Fátima, passar dia e meio. Para os menos elásticos, informo que “pretérito” é uma forma pirosa e pouco intelectual de dizer “passado”. É como dizer “vós estais aqui estais a levardes com meia tranca de ferro que até andais às bolandas”. Mais ou menos, vá.
 
Fui a Fátima em missão, obviamente secreta, porque, se a vida não fosse feita de segredos, seria feita de pastéis de feijão e tremoços, o que seria uma monotonia infindável, além de muito indigesto. Enfim, fui a uma mistura de conferência com assembleia, num ambiente que deu para a formal distribuição de medalhas, mas, também, para umas quantas horas de lavagem de roupa suja, sem sabão.
 
No Domingo, à hora do almoço, e enquanto esperava que o companheiro de quarto arrumasse a sua trouxa para rumarmos ao norte, assomei à janela para dar uma inspecção no parque de estacionamento privativo. Muita gente na rua, a apanhar aquele sol maravilhoso e quentinho. Ui, que bom!
 
Nisto, vejo um jovem bombeiro, em traje de gala, de braço dado com a sua presumível namorada. Pisquei os olhos. A namorada vestia uma daquelas peças de roupa cujo nome não consigo sequer inventar, de cor branca.
 
Não sei o nome da peça, mas posso descrever, porque não é assim tão invulgar. É como um comprido cachecol branco, de tecido fino, cujo ponto médio coincide com o traseiro do pescoço. As pontas, descem sobre o peito, com jeitinho, e, já no abdómen dão uma pirueta e dois nós e passam atrás das costas e zás! Já está!
 
Entre o cachecol e a pele: nada. Rigorosamente nada. As maminhas, feitas de carne macia mas consistente, na frescura da idade e ainda pouco amassadas, abanam-se por baixo do cachecol ao ritmo das passadas ligeiras. Uma coisa bonita de se ver, depois destes longos meses de um cinzento Inverno.
 
O casal afasta-se, em direcção ao Santuário, entre risos cúmplices. As costas nuas confirmam a ausência de suporte-toráxico-assistido. As calças de ganga mal assentes sobre umas nádegas com poucos predicados, justificam a necessidade de puxar os olhos do povo para algures acima do umbigo, numa clara estratégia de “esqueçam lá o rabo, que tenho as maminhas quase de fora”.
 
Se fosse minha filha, levava certamente umas boas ripadas de pinheiro naquele lombo, para ganhar pudor e não escandalizar publicamente os crentes que rumam a Fátima. Galdéria!  
 
(ai que é tão bom quando chega a Primavera…) pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 23:32
link | tocar à trombeta | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Abril de 2008
Sinalética infantil
Preparativos para um renhido desafio de futebol. Sol radiante, no domingo escaldante, resmas de gajas na rua em trajes pobres de tecido, Primavera no ar, ah e tal. Relvado no quintal da casa do Zé, a poucos quilómetros do mar. Faço equipa com o terrível António. Do lado oposto, o Zé e o Rodrigo.
 
Comentário, muito baixinho, do Rodrigo para o colega de equipa: eles são gordos, assim vamos ganhar o jogo.
 
É um sinal, de facto, de que preciso tomar medidas drásticas relativamente a questões volumétricas. É um assunto recorrente, mas, a cada ano que passa, o drama aumenta de intensidade.
 
Eu até comecei bem, na semana que findou: todos os dias, as refeições foram constituídas à base de legumes e fruta. Estava a correr bem, até ir passar o fim-de-semana longe de casa… no meio de devoradores de chicha e esponjas insaciáveis, a poucos metros do Santuário de Fátima.
 
Falta acrescentar que o Rodrigo tem cinco anos e é filho do Zé. Enfim… pickwick
tags no estendal:
publicado por pickwick às 00:08
link | tocar à trombeta | favorito
|