Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 19 de Abril de 2006
O colunato das Baleias
Como toda a gente sabe, os colonos são aqueles gajos que invadem solo alheio, mesmo que o alheio não tenha gente, em busca de uma forma de vida melhorzinha que aquela que faziam de conta que não tinham lá no lugarejo de onde vieram. Invadem, logo, são invasores, e jamais em tempo algum serão “da terra” onde aterraram de escova-de-dentes e bagagem recheada de paninhos de renda e enxadas para estragar o terreno. Há um tipo de baleias que me dá a volta ao estômago: as gajas super gordas. Entenda-se por super gordas aquelas mulheres que se assemelham a um frasco de banha a borbulhar na lata em cima do lume. Aquelas mulheres que têm de puxar verdadeiros cortinados de peles gordurosas só para fazerem as necessidades fisiológicas. Aquelas mulheres que, decididamente, não passam a direito em qualquer porta. Aquelas mulheres que estalam cadeiras em locais públicos, que não cabem num espelho, que já não têm paladar às custas de comerem toneladas de porcarias. Enfim. Um nojo. Invadem locais públicos, esvaziam piscinas, não vão ao cinema porque não cabem nos bancos, e teimam em circular na via pública sem autorização da alta autoridade para a estética mínima. O que eu ainda não consegui perceber, é como é que estas fulanas conseguem arranjar e manter relações com gajos normais. Quer-se dizer, entenda-se por gajo normal um ser humano do sexo masculino com menos de 100 kg (para eu também ser normal, claro). Outro dia vi um filme que me deixou agoniado durante vários dias. Andei com indigestões, prisão da tripa, soltura da tripa, quase vómitos, sei lá. Não me lembro do nome do filme, mas o actor principal sofreu uma conversão por hipnose, que o obrigava a apreciar o lado interior (e belo) das mulheres, transformando o lado exterior delas em algo compatível com o seu sonho. Vai daí, qualquer baleia (ou burgesso de saias) que se lhe atravessasse à frente era vista como a coisa mais linda e jeitosa deste mundo. Entretanto, conheceu uma baleia, que aos olhos dele (que a câmara insistia em mostrar, e era, de facto, muiiiiiiiito boazona e ainda por cima loira) era um sonho de mulher. Mesmo depois de ela escangalhar um banco robusto num restaurante, o rapaz continuava a só ver uma jeitosa de saia travada e cabelos loiros. Bom, lá mais para a frente, um amigo foi ter com o hipnotizador e convenceu-o a fazer regressar o sonhador ao seu estado normal. Mesmo assim, quando eu pensava que o mundo estava salvo e o fulano ia cair em si, então não é que o estúpido resolveu vencer o seu bom senso e bom gosto e manter-se apaixonado pela baleia ?! Acho que no fim até casou-se com ela, já não me lembro, que fiquei tão agoniado que perdi o fim à meada, mas acho que a felicidade foi total e ah e tal. Raios! Já não há decência???? Se fosse apenas um filme, ainda vá que não vá, mas eu tou farto de ver gente assim na vida real, a atravessar-se à minha frente em locais públicos. Gajos bem apresentados, nos seus 65 kg, de mão dada com baleias de 180 kg. Que nojo. Ó pá!... Enfim, é feio diminuir o lado físico dos outros, mas este é um caso de excepção ao qual eu não consigo fugir. Aqueles pensamentos bonitos sobre a beleza interior e ah e tal… eu acho bem, e até sou apologista e crente, mas há limites. Digamos que 100 kg de limite para um máximo de 1,70 m é um valor aceitável. Tudo o que passar daí, francamente, passa a ser assunto para o jornal Incrível ou para um episódio subaquático com o Jaques Cousteau. pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 21:00
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito
|