Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Quarta-feira, 13 de Abril de 2005
Sonhos
Eu outro dia tive um sonho: sonhei que tinha sonhado! Acordado! Sonhei acordado que tinha sonhado a dormir. Ora aqui está uma parvoíce completa. Ainda pior que dizer que se come comida. E, porque o mundo é feito de parvoíces e caroços de azeitona, sonhar que se sonha também é uma realidade. Talvez um sinal tímido de que a corda bamba começa a abanar mais do que a conta, que o suave deslizar das águas no ribeiro já se transformou num perigoso turbilhão de espuma, que tem de haver, algures, um botão de stop para carregar que nos devolva ao estado natural das coisas: em que não é preciso sonhar que se tem um sonho, em que o sonho faz parte de nós, como o ovo estrelado faz parte do ovo-a-cavalo. Já perdi a conta aos meses que passaram desde o último sonho a dormir. Sonhar acordado com o regresso dos sonhos a dormir, começa a tornar-se demasiado habitual para ser um estado normal de um ser humano. Ou seja, não é normal. Nós não costumamos ser normais, eu sei, mas façamos de conta que há uma fasquia mínima de requisitos para um certificado de normalidade, acima da qual sonhar é um “must”. Se não se sonha, está-se abaixo da fasquia, logo não se está normal. Não necessariamente anormal, mas certamente não normal. Tipo as mulheres, quando não estão necessariamente estragadas, mas já estão um bocadinho fora do prazo. As coisas pioram quando, para cúmulo, e além de não se ter sonhos a dormir, os sonhos que se têm acordado são em versão do avesso. Como é que um sonho tem uma versão do avesso? Não sei, lembrei-me disto agora mesmo, mas posso tentar traduzir. Assim, um sonho normal pode ter duas formas: a forma boa-fábula, em que o lobo mau come o capuchinho vermelho, ou o João come a Sónia no areal da praia da Ericeira; a forma cabo-das-tormentas, em que o capuchinho vermelho é comido pelo lobo mau, ou o Artur é atropelado por um rinoceronte ao passar em frente de um bar gay. Quando um sonho deixa de ser normal, sonha-se do avesso. Sonhar do avesso, como o próprio nome indica, é como vestir uma camisola do avesso e ficar-se numa embrulhada de gestos ineficientes e patéticos a tentar vesti-la correctamente, mas sem a tirar. Inexplicável, entenda-se. A púcara bate no fundo do poço quando estes sonhos do avesso nem sequer acontecem a dormir. São tidos de olhos bem abertos, esbulhados, a transpirar desespero. A luz ao fundo do túnel já nem faz parte do sonho, já que o túnel não passa de um buraco feito na terra, com o diâmetro mesmo à medida do nosso crânio. Anseio pelo dia em que os sonhos normais e de boas-fábulas regressem aqui, a esta praça. Em que possa sonhar, a dormir ou acordado, com coisas que sei que vão acontecer, mais dia menos semana, pois, para quem não saiba, o maior prazer da vida é sonhar por encomenda: sonhar com alguma coisa que sabemos que vai acontecer, para que o sonho se concretize. É que o mundo já está cheio de gente a sonhar com coisas que nunca vão acontecer, embriagados com revistas pirosas e programas de TV intragáveis. Os infelizes, portanto. Demarquemo-nos! Sonhemos sonhos que se venham a concretizar. É o verdadeiro orgasmo da mente: concretizar um sonho! Entretanto, enquanto sonho com o dia ou a noite em que volte a sonhar a sério, vou sonhando com a dramática tarefa de virar a camisola sem a tirar. Na ingénua esperança de que este seja mais um sonho que se venha a concretizar. pickwick
tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 23:41
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito
|