Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 23 de Junho de 2006
Feel like doin' it?
A ouvir, na voz de João Vaz

O meu blog dava um programa de rádio - Rádio Comercial

 

São 6 da manhã. Horas de estar a dormir, entenda-se - como provavelmente estarão a fazer 90% das pessoas à distância de menos de cinco fusos horários - exceptuando uns quantos que hão de estar a fazer relinchar as molas dos colchões. Se eu não fosse, portanto, ligeiramente insano, estaria a ressonar - embora não ressone - em vez de estar pr'aqui a escrever baboseiras. A questão é que esta madrugada fui assaltado por uma ideia altamente filosófica. Muitas vezes pensamos naquilo que deixámos por fazer, em certas oportunidades que não agarrámos com ambas as mãos... existe até aquele cliché - que fica sempre bem na boca de uma loura qualquer, até porque é fácil de decorar - do "só me arrependo daquilo que não fiz". Pois bem, aqui entre nós, temo que não passe mesmo de um cliché. A verdade é que em qualquer coisa que façamos, mesmo que se trate da oportunidade do século, existe sempre algum pormenor - por mais ínfimo que seja - que não corre bem. Como quando pisei a miúda mais gira da escola inteira, no Baile de Finalistas (que por acaso até estava a dançar comigo), ou quando gaguejei na minha primeira peça de teatro por me ter esquecido da deixa. São momentos que acabamos por recordar com alguma piada, ternura até, mas guardamos alguma mágoa por não terem sido... perfeitos. Os únicos que acabam por ser inexoravelmente perfeitos são, esses sim, aqueles que nunca aconteceram. Situações que ficaram apenas num pensamento, num sorriso, num olhar cúmplice. Aí, imaginámos tudo como queremos - até ao mínimo detalhe - e é assim que fica maravilhosamente guardado no álbum de recordações. Como se tivesse acontecido. Até ao dia em que disfrutamos da alegria imensa de se ter realizado, e guardamos aquela mágoa pequenina de não ter sido perfeito. Quer-me parecer que Flaubert já dissertou sobre este assunto, mas se assim for, é preciso que compreendam que em mais de 4000 anos de história humana é difícil de lembrarmo-nos de coisas originais. Ainda assim, vale a pena pensar nisto. riverfl0w
música: Perfect – Smashing Pumpkins
publicado por riverfl0w às 06:03
link | tocar à trombeta | favorito
|
7 comentários:
De lambda a 18 de Julho de 2006 às 03:27
Finalmente cheguei a um post teu. O qual adorei. Tens q escrever mais.
De riverfl0w a 14 de Julho de 2006 às 12:24
Felizmente, nunca tive "um pedaço de homem" - até porque não tenho nenhuma definição que se encaixe nesse conceito - a fazer-me olhinhos desde o princípio da noite. Lucky me =]
De Ouvinte N57 a 11 de Julho de 2006 às 23:17
Sabes, Riverflow, essa coisa do "só me arrependo do que não fiz", soa-me sempre àquela mentira do género quando o nosso colega de trabalho consegue o aumento que seria tão justo na nossa folha de ordenado (sobretudo quando o atrasado mental precisa sempre de ajudas do tipo... "ah, acho que perdi o documento" e lá vais tu perder o teu tempo a explicar ao menino que o x no canto superior direito não pertence ao totobola, mas fecha a janela e que, apesar de sermos compelidos a carregar em botões, convém ler o que lá diz antes de o atacar ferozmente com o rato...).
Nunca ninguém se arrependeu daquela bebedeira monstra que acaba connosco a vomitar em plena pista de dança, frente àquele pedaço de homem que nos está a fazer olhinhos desde o princípio da noite?!!! Ah...! Nunca passaram por isso?... Ok, acho que já falei demais
De vagrancy a 28 de Junho de 2006 às 23:48
És sim, és sim. *sorriso*
De amorperfeito a 24 de Junho de 2006 às 21:21
Ok, aqui está uma óptima reflexão de uma qualquer madrugada.
:)

Obrigado pela partilha lololol
*********
De riverfl0w a 24 de Junho de 2006 às 19:52
Oh. Eu não sou exemplo para ti, vagrancy. *beijo*
De vagrancy a 24 de Junho de 2006 às 01:53
quando for crescida, quero pensar como Flaub.. tu.

deixo um beijinho*

tocar à trombeta