Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 11 de Abril de 2013
A mulher de laranja

Por obra e graça de circunstâncias imprevistas, o final do dia de ontem foi ocupado a ajudar um formador a ensinar adultos a rebolar pelo chão. Basicamente, foi isso. Eu sei que, dito assim, parece coisa diabólica, com galinhas decapitadas e coelhos esventrados e asas de morcego embebidas em chocolate rançoso. Mas, fazendo o balanço, foram duas horas e meia a ensinar adultos a rebolar no chão. É um facto.

Entre os adultos, que somavam menos de dúzia e meia, encontrava-se uma moça, aparentemente trintona, trajando fato de treino cor-de-laranja. Podia ser gorda, mal feita e muito feia. Podia. Mas depois não havia assunto. Para gáudio da intimidade do meu cérebro pecador, esta mulher de laranja era elegantíssima e de feiosa não tinha nada. Agradável à vista, especialmente quando observada pelas 12h, com as calças a ajustarem-se suavemente às nádegas – aquele tipo de bochechas sem qualquer grama de gordura. Um gajo tem de ficar muito agradado com a oportunidade.

Ora, sucede que, a determinada altura, o exercício proposto pelo formador era um agachamento da bacia, com as plantas dos pés completamente assentes no solo. Do lado de fora da área ocupada pelos formandos, eu observava-os, preparado para intervir quando fosse necessário corrigir qualquer movimento. Do lado oposto, a mulher de laranja agachava-se também. Um harmonioso ómega (letra grega) laranja desenhou-se nos meus olhos, definido pelo perfil dos quartos traseiros daquela mulher. Não havia contorno do corpo dela que escapasse, ali, às evidências. Comparado com aquela paisagem alaranjada, a menina do bodyrock.tv ainda tem muito que malhar. Não bastasse o ómega, havia um destaque pulmonar impossível de desdenhar, na medida perfeita. Houve, ali, uns lapsos de segundo em que senti as minhas pernas fraquejarem. É terrível, este efeito devastador. Um gajo quase que cai de quatro com a língua de fora, entre o pasmo e a paragem cardíaca. Sobrevivi, com esforço. Desviei o olhar e recuperei a postura.

Mais tarde, o exercício proposto passou a ser um enrolamento parcial à retaguarda. Isto é, como quem vai dar uma cambalhota à retaguarda, mas pára antes de tocar com os joelhos no chão. Obviamente, fica-se com o rabo no ar. Eu já me tinha esquecido da mulher de laranja, mas, porque o destino gosta de me lixar a vida, fui apanhado de surpresa. Ia eu descansadamente a passar entre os formandos, a ver se nenhum partia a espinha ao meio com um movimento descontrolado, quando dei de caras com as nádegas laranja em plena elevação, à distância de braço e meio. As calças completamente justas. Impossível de sobreviver a isto. Nem deu tempo para fraquejar das pernas. Caí de joelhos, logo ali. Abri a boca num esgar muito hiena. Olhos de pirilampo a faiscar. Comecei a dar palmadas no chão, primeiro devagarinho, mas aumentando aos poucos o ritmo e a força. O pessoal começou a reparar que se passava qualquer coisa comigo. Às tantas, pararam todos para olharem para mim. Estava completamente fora de controlo. Parei de dar palmadas no chão e comecei a dar palmadas nas nádegas alaranjadas, aproveitando o facto de a moça ter ficado tão atónita com o meu descontrolo que nem foi capaz de baixar as pernas e o rabo. Palmadinhas, vá. Ela reagiu de forma negativa e pouco simpática, desviando-se e soltando uns palavrões. O formador ainda chamou o meu nome, mas eu já não ouvia nada. Atirei as beiças para o ar e comecei a uivar de forma pouco afinada, assim uma espécie de mistura entre Chopin e o grunhido de um porco a ser atropelado. Completamente coiso. O Gollum parece um acólito de oito anos com laçarote de veludo, comparado com as minhas figuras. Entretanto, a mulher de laranja fugiu para os balneários, a chorar, amparada pelas duas outras mulheres do grupo. Dois formandos mais musculados, acharam que estava na hora de salvar as honras da casa e fizeram-me uma placagem brutal, empurrando-me contra a parede espelhada do ginásio. Foi cacos de espelho por todo o lado, fiz um corte na testa, e um deles espetou um naco de espelho numa nalga.

Aproveitei o momento e corri porta fora, em fuga, deixando para trás os berros reprovadores dos formandos e o ar desolado do formador, milhão de vezes arrependido de me ter convidado.

Desde então, tenho suores na cama, atormentado por aquelas nádegas alaranjadas, que atrás de mim correm para me apertarem o crânio até explodir. Quão vingativas podem ser umas nádegas femininas? Não há limite! pickwick 

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 23:53
link | tocar à trombeta | favorito
|