Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 21 de Setembro de 2012
Mulherio abundante – parte 2

No pretérito sábado, fui até ao Porto. Primeiro, fui até Braga, armado em empresário, mas isso agora não interessa. No Porto, na companhia do M e do N (letras de código, que isto está de crise), fui almoçar com duas moçoilas de tenra idade, qualquer coisinha a roçar os 30 por baixo. É sempre bom almoçar com moçoilas, se bem que estas podiam dar umas corridinhas de vez em quando para melhor se acomodarem na cadeira de um restaurante.

 

De seguida, gastei mais de um vinte avos do meu ordenado em livros que não me servem para nada a curto prazo, mas que, pelo sim, pelo não, é melhor tê-los à mão.

 

Posto isto, e depois de a A (yes, yes, não corra que não é preciso) se ir embora (acabou com o namorado outro dia, mas isso agora não interessa), a T (tão fofinha…) levou-nos até junto do Douro, para bebermos qualquer coisinha para a despedida numa simpática esplanada. Pensei eu, ah e tal, vista para o rio, ambiente calmo, dois dedos de conversa, coiso e tal. Era bom, era. Mas, o impensável aguardava-nos: a esplanada ficava mesmo, mesmo, mesmo, mas mesmo encostada à Meta de uma prova desportiva internacional, chamada “Pop in the City”. Característica principal desta prova? Só gajas! Característica secundária, mas não menos importante? Mais de metade das gajas não precisam fazer mais corridinhas!!!

 

E pronto! O N tinha a sua máquina fotográfica Canon xpto com lente de 300 mm, e foi um ver se te avias a disparar para a esquerda, para a direita, para a frente, coiso e tal, que elas eram tantas e tão jeitosas, que o processador interno da máquina deve ter dado quase o tilt. Uma única máquina para três ansiosos e excitadíssimos fotógrafos. Foi extremamente fascinante! Em especial, porque, daquele magote intimidante de gajedo, eu diria que apenas 5% necessitaria de fazer umas corridinhas para corrigir divergências entre as nádegas e algumas cadeiras mais estreitas.

 

A meio da orgia, a pobre T resolveu entrar ao barulho com um breve relato de um dia de verão em que foi não sei onde e era só ela, uma amiga, e meio milhão de gajos. Para que raio é que uma gaja se mete com conversas destas? Para não ter resposta e ficar a olhar incrédula para três gajos a escorrerem baba pelas beiças e as cabeças como que na plateia de um jogo de ténis em fast forward? Não havia necessidade…

 

Marie, Clémentine e Sophie: as três francesas organizadoras da prova, segundo noticiado pelo Público. Com um bocadinho de imaginação, consegue-se perceber que estas meninas também não precisam de fazer mais corridinhas!

 

No fim, um gajo sai dali a dizer mal da vida. Porque terá que regressar à parvónia, onde só há mulheres de buço inflamado e rabiosque XXXL. Ora bolas! pickwick

publicado por pickwick às 20:58
link | tocar à trombeta | favorito
|