Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 1 de Julho de 2012
Como desenhar uma linha torta

Breve manual de instruções para conseguir desenhar uma linha torta numa manhã de domingo:

1. Senta-te numa mesa ampla e prepara-te para trancar a tinta vermelha as quase quarenta provas do exame nacional de matemática que te calharam na rifa, a onze páginas cada uma.

2. Decide intercalar cada prova com uma série de levantamento de pesos, por causa das cócegas.

3. Lá para a oitava prova e outras tantas séries, és apanhado de surpresa pelo agradável ti-ti do telemóvel, sinalizando a recepção de uma SMS.

4. Afinfa o telemóvel com três dedos e sorri, pois é uma SMS da miúda por quem estás completamente pelo beicinho, provavelmente desejando um bom dia a trancar provas.

5. Abre a SMS e descobre que, afinal, não é um desejo de bom dia, mas, antes, um singelo depoimento expressando uma grande vontade que ela sente de te beijar.

6. Toma consciência de que o sorriso parvo com que ficaste não irá desaparecer nos próximos sessenta minutos.

7. Sem pingo de consciência, regressa à oitava prova, convencido de que continuas concentrado.

8. Uma força misteriosa desvia-te a caneta do caminho dos justos e atropela meia equação.

9. Descobre que: a) a força misteriosa, afinal, não foi mais do que uma quase imperceptível pocinha de baba viscosa que te caiu da beiça quando leste a SMS; e que, b) matematicamente, a intersecção de uma linha vermelha com uma poça transparente resulta numa mancha de “nhanha” alaranjada.

10. Qual bombeiro de secretaria, socorre a situação lançando papel higiénico sobre o acidente, para absorver o líquido.

11. Complementa a acção com um golpe genial de tinta correctora branca, como se fosse um spray, e repara como, em alguns microlocais, a brancura apenas diluiu a “nhanha” alaranjada que não tinha secado ainda, transformando-a em “nhanha” salmão-desmaiado.

12. Um rasgo de lucidez atinge-te o cérebro e ocorre-te que não se usam porcarias destas em provas nacionais.

13. Soluciona a questão de forma exemplar, puxando do canivete suíço e raspando o agora naco seco de tinta correctora com algumas tonalidades salmão-desmaiado.

14. Assim que o naco se soltar, levando consigo pouco mais de dois centímetros quadrados de papel de prova e deixando um medonho buraco, expande as tuas mandíbulas num esgar de pânico, enquanto o cérebro se desmultiplica em estratégias de remediação e soluções milagreiras.

15. Ao fim de alguns minutos de intensa actividade cerebral, conclui que no dia seguinte terás que ir desencantar uma prova virgem e nela reproduzir integralmente todo o conteúdo da prova danificada, incluindo os gatafunhos do/a aluno/a, as assinaturas dos professores vigilantes e a parte da equação que ficou colada no naco de tinta correctora.

Nota do editor: a partir do oitavo passo, inclusive, as instruções correspondem a pura ficção e resultam somente da fértil imaginação do autor. pickwick

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 12:03
link | tocar à trombeta | favorito
|
1 comentário:
De cocacolagirl a 2 de Julho de 2012 às 23:07
Tu tens uma imaginação do caraças :)

tocar à trombeta