Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011
Medicina moderna e prazeres reprimidos

Durante o fim-de-semana passado, engendrei um esquema para ir visitar uma povoação encalhada na margem acidentada de um rio, mesmo à saída da Serra da Estrela. Uma área rica em espécies vegetais, pensava eu. Entre o convite a uma colega de trabalho (Lili – nome de código), que também estava interessada em conhecer o local, e o pedido a uma amiga (Sisi – nome de código), para servir de guia, juntou-se ali um rebanho de gente, crianças em esmagadora maioria, sendo que o único exemplar do sexo masculino era a minha pessoa. Sabeis como é: ah e tal, vão as filhas e as amigas das filhas e até uma cadelinha com pilhas não-desgastáveis.

 

Numa breve paragem para apreciar a paisagem, eis que surgiu um discreto momento de descontracção, ali mesmo, rodeados de uma natureza deslumbrante, ao som das águas deslizantes do rio Alva. De repente, a Lili olha para a filha mais velha, quase com o dobro do tamanho dela, e faz um reparo científico sobre a sua postura corporal. Ah e tal, endireita as costas!

 

Bravo!, pensei eu para comigo.

 

A Lili deve ter pressentido a minha exclamação, pelo que aproveitou para debitar para ali algumas preciosas informações, a saber:

 

- A Lili levou a filha ao médico.

- O médico detectou que a coluna da moça não estava a desenvolver-se da melhor forma, mercê de um abuso de posturas incorrectas.

- Havia que combater esse abuso.

- Medida um: a Lili registar, em suporte papel, todas as ocasiões em que detectasse a filhota em posturas incorrectas.

- Medida dois: a filhota começar a usar uma mini-saia extremamente curta, que a fizesse andar de costas direitas para que não se vissem as cuecas. (a rapariga tem 15 anos)

- Medida três: a Lili encurtar ainda mais a mini-saia já extremamente curta da filhota, para que esta se sentisse ainda mais forçada a endireitar as coisas. (apesar de 15 anos, a rapariga já vai, à vontade, nos seus 175 cm de altura)

 

Estava eu ainda a começar a abrir a boca de espanto, tanto pela inovação científica das medidas, como pela figurinha que a filhota haveria de fazer… quando a Sisi fez uma intervenção… como direi… inesperada, vá!

 

Com um sorriso rasgadíssimo, quase em bicos de pés e a deixar escapar um ligeiro estremecimento corporal, exclamou a Sisi: ah e tal, no meu tempo é que não havia médicos assim!, senão eu podia ter ido logo para casa dizer aos meus pais que era receita médica, e tal…

 

(“e tal”, é como quem diz que os pais não gostavam muito da ideia de a Sisi andar de mini-saia, pelo que teve que passar a sua adolescência e, quiçá, parte da vida adulta, a trajar-se de forma conservadora)

 

De facto, eu já tinha reparado, noutras ocasiões, que a Sisi tem um prazer incontrolável em se apresentar de mini-saia, para gáudio de espectadores atentos. Mas, daí até isso ter sido um prazer reprimido durante anos… Upa! Upa!

 

E, pergunto eu, que prazer misterioso é esse, que assiste a algumas mulheres?

 

Será exibicionismo? Excesso de calor abaixo da cintura? Maior facilidade de movimentos para subir escadas de três em três degraus? Austeridade têxtil? Paixão por cintos largos? Gosto em sentir-se sensual? Ou, simplesmente, adora ver os olhinhos masculinos a darem reviravoltas dentro das órbitas? pickwick

 

tags no estendal:
publicado por pickwick às 22:25
link | tocar à trombeta | favorito
|