Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 19 de Maio de 2010
Efeitos psicológicos no desempenho físico

Hoje cheguei a casa a uma hora decente (tipo antes das 21h) e, saboreando o facto de não ter compromissos para o resto do dia, vesti a fatiota apropriada para ir dar uma corridinha para os pinhais.

 

Já há vários anos que tenho um percurso fixo, com subidas e descidas, que consigo fazer em cerca de 50 minutos se não andar coxo, ou em 45 se estiver no ponto caramelo. Por ora, encontro-me na fase imediata ao abandono do coxear como forma de estar no desporto. Isto é, estou a tentar começar a entrar em forma. Quer isto dizer que o percurso demora 50 minutos, mas o meu objectivo é começar a reduzir o número de vezes que paro pelo caminho para evitar engasgar-me com meio pulmão a querer saltar por uma narina. Nas primeiras vezes, há umas semanas atrás, a boa forma era tanta que tinha que parar nas descidas para descansar. Mas isso já pertence ao passado. Agora estou bem melhor.

 

O percurso que faço pelos pinhais, ou pelo mato (conforme a preferência), usa uma rede de trilhos frequentada por gente que trata de umas terras, maioritariamente vinhas, ou não fosse isto uma zona demarcada de vinhos do Dão. Na prática, cruzo-me com mais coelhos do que pessoas. E é bonito, cruzar-me com coelhos, os passarinhos a chilrear, um ou outro esquilo quando calha, um cachorro, ah e tal.

 

Como forma de controlo, estipulei atingir o ponto mais extremo do percurso ao fim de 25 minutos, no máximo. É um ponto relativamente alto, pelo que, enquanto não estou no ponto caramelo, é um local de paragem obrigatório para meter a respiração ofegante na ordem. Também é um local de onde se avista um bonito pôr-do-sol, em especial porque costumo ir correr ao final do dia.

 

Hoje, quando cheguei a este ponto, ao fim de uns excelentes 25 minutos (à tabela), lá tive que abrandar e arranjar maneira de parar de arfar que nem um cão vadio perseguido por um bando de velhotas empunhando furiosamente guarda-chuvas com desenhos de flores. Quando consegui recuperar, retomei a corrida, a descer, com um olho nos calhaus do chão e o outro no pôr-do-sol. Ao fim de vinte e sete passadas (mais coisa, menos coisa), o que é que me aparece à frente?

 

Uma menina montada numa bicicleta, suando devido ao esforço da subida. E pensei cá para comigo: eh lá! Mais seis passadas (mais coisa, menos coisa), e o que é que me aparece à frente?

 

Outra menina, montada também numa bicicleta, igualmente suando devido ao esforço. Só que, ao contrário da primeira menina, que era uma menina bonita, bem feita, bom corpo, carinha larocas, elegante, cabelos ao vento, ah e tal, a segunda menina tinha um vistoso par de maminhas, generosamente arejados através de um decote perigosamente acentuado devido à inclinação do corpo a dar ao pedal encosta acima. Ou seja, numa situação normal o decote já seria interessante, sendo que naquele caso dava para fazer uma tese de doutoramento.

 

Devo dizer que fui arrebatado por uma onda inspiradora. Psicologicamente, fui afectado, confesso. De repente, parecia que levava um isqueiro Bic fazer-me faíscas junto aos pêlos do rabo. Ena pá! Acho que só parei mesmo na subida fatal, a mais íngreme de todas, porque, senão, ainda caía para o chão e engolia dois quilos de calhaus, tal era a velocidade com que arfava. A cada passada, imaginava as esferas de deliciosa carne fresca a balouçarem ao ritmo das pedaladas na bicicleta. É como o cavalo atrás de cenoura. Por cada passada, uma das maminhas abanava e eu ficava todo satisfeito.

 

O efeito foi tal, que, quando cheguei ao pé do meu carro, ainda pensei seriamente em dar meia volta e repetir o percurso todo. Mas, felizmente, caí em mim e regressei a casa. Ainda bem. Imagine-se que, na repetição do percurso, me cruzava novamente com as meninas? Como era? Ainda perdia a noção da realidade e de um salto abocanhava-lhes os pneus das rodas... Que má figura… pickwick 

 

tags no estendal:
publicado por pickwick às 23:22
link | tocar à trombeta | favorito
|