Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 6 de Maio de 2010
Teoria Volumétrica do PD-Aki

Até prova em contrário, registe-se, com a designação de “Teoria Volumétrica do PD-Aki”, a previsão quase, quase, quase exacta de que as meninas das caixas do “Pingo Doce” têm todas maminhas pequeninas, por oposição às meninas do “Aki”, que têm todas maminhas de palma-cheia.

 

Uma maminha de palma-cheia é uma maminha que enche a palma da mão, se nela for depositada com jeitinho, ou se colidirem entusiasticamente, ou se ah e tal qualquer coisa que não esborrache, habitualmente com o generoso consentimento da proprietária da maminha.

 

Já há muito tempo que vinha a constatar, dia após dia, que as meninas do “Pingo Doce” aqui da aldeia eram escolhidas a dedo. Não há, nem nunca houve, pelo que duvido que vá haver, uma menina a trabalhar aqui no “Pingo Doce“ que tenha maminhas com mais de 8 centímetros cúbicos de volume.

 

Ontem, aproveitei uma ida à grande capital de distrito, para dar um saltinho ao “Aki” e gastar uns trocos. Não vi uma única menina daquela superfície que não tivesse maminhas de palma-cheia. E note-se que isto não é uma campanha publicitária disfarçada, a imitar o fruto da figueira que gosta do filósofo. Nada disso! Objectivamente, todas tinham sido brindadas divinamente com simpáticos volumes entre o diafragma e a carótida. Presumo que ainda me falte um estudo mais consistente sobre este fenómeno desta loja “Aki”, mas não é nada que não trate nos próximos meses. Adoro estudar fenómenos destes. pickwick

tags no estendal:
publicado por pickwick às 23:39
link | tocar à trombeta | favorito
|