Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Powered by Technorati

Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009
Conceda-lhe lá um emprego, vá
Desde pequeno que sempre gostei de exercitar o corpo e puxar pela máquina. Já não estou em estado de abusar muito dela, pela má utilização que lhe dei na última década, mas, ainda assim, lá vou dando umas escapadinhas.
 
Uma das escapadinhas a que me afeiçoei, é subir as escadarias da Nossa Senhora do Assobio (nome de código... sim, também tem direito), numa povoação a uma dezena de quilómetros de minha casa. Aquilo tem uns lanços de escadas jeitosos, com uns degraus muito medievais e toscos, e umas capelinhas espalhadas.
 
Já se imagina a coisa: subir, descer, subir, descer, e por aí fora.
 
Hoje, apanhei três mulheres de mãos dadas a fazer a escadaria. Ao longe, fui assaltado por pensamentos vários, com destaque para este, que se repetiu com maior frequência: são lésbicas e adoram ménage à trois. A uns cem metros, notava-se que a do meio trazia os ombros nus, coisa que eu aprecio muito, porque, como é do conhecimento público, logo abaixo dos ombros vêm as maminhas.
 
À medida que a distância se foi encurtando – elas a subir e eu a descer -, apercebi-me que a dos ombros nus era toda jeitosa, elegante e bem feita, assim na casa dos trinta, cabelo preto e comprido, enquanto que as outras já tinham passado do prazo ainda antes do final do Século XX.
 
Há fetiches para todos os gostos, como bem sabemos, e podia haver ali um qualquer daqueles que cruzam a homossexualidade com a paixão por gente mais nova e desta por gente mais velha. Por gente mais nova, eu até compreendo, ah e tal, maminhas firmes, pouca celulite, rabinho-de-pêra, etc. Mas, por carne flácida, celulite descaída, maminhas até aos joelhos e pele encarquilhada? Por favor.
 
No momento do cruzamento entre o trio e a minha pessoa, fiquei impressionado com o que se estava a passar entre as três. Iam de mãos dadas, sim, mas a rezar. Acima e abaixo da longa escadaria. Subi três vezes, elas já lá andavam quando cheguei e por lá ficaram quando abalei. Uns “Pai Nossos” e umas “Ave Marias”, tipo a reza do terço.
 
Numa das vezes em que nos cruzámos, percebi mais qualquer coisa para além das tradicionais orações atrás citadas. A mais nova, com mais vigor e em muito boa forma física (já disse que era toda boa?), rezava: Nossa Senhora do Assobio (nome de código), concedei-me um emprego...
 
Confesso que foi a primeira vez que ouvi alguém a pedir um emprego daquela forma. Impressionou-me, e pela positiva. Deu-me logo uma vontade imensa de ser um empresário extraordinariamente bem sucedido e consequentemente rico, para lhe dar um emprego logo, logo, logo. Não por ela ser toda boa e jeitosa e estar em boa forma, mas pela Fé que a levou a fazer aquele esforço físico.
 
Eu não sou assim um católico daqueles de tirar o chapéu, pois se vivesse na Idade Média já me teriam chegado fogo às nádegas numa fogueira qualquer, mas, tenho a dizer que, ao passar pela rapariga e ouvir-lhe aquele pedido desesperado, fiquei com a estranha sensação de lhe estar a ler a alma com uma nitidez impressionante.
 
Não aprecio aquela malta que anda de joelhos por Fátima, para cumprir uma qualquer promessa. Mas, já sinto bastante admiração pelo esforço colocado no pedido e pela Fé da rapariga, convicta de que, eventualmente, alguém, lá em cima, a escutaria e a atenderia.
 
Fiquei assim todo melancólico, sim. Também estava a suar por todos poros e a largar um fedor muito másculo mas pouco agradável. Depois, cheguei a casa, meti uns restos de queijo à boca, abati duas cervejolas ao stock do frigorífico, e vim para aqui escrever este post, antes que fosse atacado pelo incrível Alzheimer e aqueles momentos na escadaria fossem comidos pela bocarra feia do esquecimento. pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 22:41
link | tocar à trombeta | favorito
|