Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 22 de Abril de 2009
O vestido, o decote e o penteado
O decote deve ser um tema ligeiramente recorrente neste blog. Mas só ligeiramente. Enfim, deve ser resultado de algum trauma de infância, naqueles dias de verão passados em Lagos em que me cruzava com as estrangeiras mais arejadas e deixava cair o queixo enquanto a imaginação desbobinava sobre o que estaria para além dos minúsculos e por vezes esvoaçantes pedaços de tecido que escondiam as partes mais íntimas. Pronto.
 
Hoje foi um dia importante lá na minha instituição. Uma excelsa comissão, designada por um não menos ilustre órgão de administração e gestão, viu-se na nobre obrigação de entrevistar os candidatos ao cargo de director da nossa instituição.
 
Ora, a presidenta do órgão, que preside, por inerência, à referida comissão, é uma senhora casada e mãe de filhos, de sorriso fácil e boa disposição permanente. Presumo que o facto de ter parido dois filhos lhe tenha conferido um decréscimo acentuado e evidente das linhas femininas que fazem a delícia do olhar masculino. É daquelas coisas da natureza: entre a linha inferior das nádegas e a linha dos mamilos, parece que o corpo foi alvo de um escultor adepto do cubismo. Ou, em alternativa, digamos que essa zona do corpo foi moldada por um tanoeiro. Os tanoeiros constroem barris. E eu já estou a ser mauzinho.
 
Bem, o facto é que a presidenta tem uma série de defeitos físicos, daqueles que só a mim passa pela cabeça. Isto de ser esquisito nem sempre me fica bem. Ainda ontem mesmo, à saída do restaurante, fiz um comentário sobre os atributos físicos das nádegas da menina que nos costuma atender, recomendando – do alto da minha douta sabedoria sobre o assunto – um pouco mais de exercício físico, para além do passear de bandejas, pratos e tachos entre a cozinha e as mesas. Os meus colegas iam-me comendo vivo! O quê? Está muito bem assim! ‘Tás maluco? Enfim, menos 4 cm de cada lado e a rapariga ficava quase perfeita, mas eles são pouco exigentes.
 
Quanto à presidenta, e fazendo um esforço para olvidar a dentadura postiça, a falta de cintura, as pernas franzinas, a barriguinha pouco sexy, os olhos cor-de-uva-desmaiada, a gadelha demasiado vigorosa, as nádegas ui-tão-apertadas-como-se-estivesse-muito-frio e os sapatos rasos, há que reconhecer, com a devida justiça, que tem um belo par de funis torácicos.
 
Hoje, ah e tal um dia importante lá na instituição, a presidenta apresentou-se ao serviço com um aspecto que até fez relinchar os cavalos de alguns estábulos.
 
Foi à cabeleireira, para começar. Naquelas bandas, cada vez que há algum acontecimento fora do normal, mesmo que seja só um bocadinho desviado da normalidade, assim só subtilmente, tipo uma folha que cai da árvore em vez de uma folha que devia cair da árvore, aparece logo uma colega de trabalho com um penteado novo. É tiro e queda.
 
Depois, apresentou-se com um vestido ligeiramente justo. Nem folgado, nem apertado. Perfeito, dentro do género e enquadrado nos limites estéticos permitidos pelo corpo da senhora. Não é hábito vê-la de vestido, assim toda bem posta, com um lenço a imitar um cachecol, ou um cachecol a imitar um lenço, que não percebi muito bem para que servia.
 
Como não bastasse, o vestido era um vestido para mulheres a sério, ou seja, daqueles vestidos com decote regulável com um broche. Apesar de não ser nada escandaloso, o certo é que me ia engasgando quando a vi. Enfim, um gajo vai para dizer algo banal, uma piadinha, uma alembradura do dia anterior, e de repente é apanhado de surpresa e vê-se de olhos postos na área nua das mamas de uma colega de trabalho.
 
A minha sorte – porque ainda há gajos com sorte! – é que, ainda eu estava engasgado e com os olhos colados em partes íntimas do corpo da presidenta, quando apareceu, ao meu lado, uma outra colega, que também reparou na novidade, adiantando-se aos comentários sobre os predicados do decote e facilitando-me a vida. Ena pá, a presidenta hoje produziu-se toda, foi à cabeleireira, meteu um vestido, e ui!, que decote! Ah e tal. Tirou-me metade das palavras da boca, esta colega. A outra metade não chegou a sair, e ainda bem, porque eram coisas mais adequadas a ambientes com tijolos e baldes de massa e não me ficaria nada bem estar para ali com este tipo de conversa.
 
Isto de começar a gaguejar, já começa a ser uma falha grave de desempenho. Não tarda, começa a dar maus resultados. Eu, dantes, não era assim. Conseguia disfarçar. Podia discursar fluidamente sobre uma banalidade qualquer ou podia fazer um silêncio solene, mas não deixava os olhos esquecidos em partes íntimas de uma mulher com quem estava a dialogar, e, definitivamente, não me engasgava!
 
Maldita decadência!... pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 23:31
link | tocar à trombeta | favorito
|