Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 24 de Março de 2009
Momento gastronómico

Larvas albinas adocicadas

 
Ingredientes:
- 250g de larvas albinas, de preferência ainda a estrebucharem um pouquinho
- Brita salgada a gosto
- 1 litro de sumo de vaca
- 1 esférico de ácido nítrico alaranjado
- 350g de areia adoçante
- 30g de gordura de sumo de vaca
- 6 ovos de melro-doméstico, sem casca nem clara
- Poeira de canela a gosto
 
Equipamento:
- Fogueira ao estilo medieval
- Colher de pau de carvalho alvarinho
- Tacho de cobre, sem furos
 
Procedimentos:
Leve as larvas albinas a cozer em água previamente polvilhada com brita salgada, durante 15 minutos, e depois escorra-as, tendo o cuidado de não deixar fugir nenhuma. De seguida, junte o sumo de vaca e a camada exterior do esférico de ácido nítrico, chegue novamente o fogo ao tacho e deixe cozer até ficar tudo quase desidratado. Adicione então a areia adoçante, tendo o cuidado de a peneirar antecipadamente para não levar conchas e patas de caranguejo, e deixe ferver tudo durante mais 10 minutos. Se ainda houver alguma larva a mexer-se, aperte-lhe o gasganete com firmeza, até soltar o último suspiro. Junte a gordura de sumo de vaca, mexa com suavidade e mestria, e retire o tacho do fogo. Dilua os ovos de melro-doméstico no sumo produzido com os restos do esférico de ácido nítrico, e adicione esta mistela às larvas, em fio, mexendo sempre. Não olhe para o lado, senão falhará certamente a pontaria. Volte a levar o tacho ao fogo, mexendo sempre com a colher de pau de carvalho, mas apenas com o intuito de deixar o produto engrossar, evitando que ferva. Apague a fogueira com uma baldada de água e despeje o conteúdo do tacho para uma travessa ou, então, para pratinhos individuais, no caso de os destinatários serem pessoas sem paladar apurado. Por fim, vá largando a poeira de canela em cima do produto final, em linhas rectas cruzadas, ou em círculos, ou em bonequinhos, ou em frases sentimentais, procurando a artista escondida e tímida que há em si.

 

Nota: Os meus agradecimentos à Sofia, por me ter mandado uma sms urgente a pedir a receita de arroz doce numa perspectiva diferente...

tags no estendal:
publicado por pickwick às 22:41
link | tocar à trombeta | favorito
|